Em meio ao furacão do processo de impeachment, tem gente que garante que a presidente Dilma acende uma vela para Deus e outra para o Diabo. É meio assim que a política funciona, quando a coisa não anda muito bem. Sem o apoio do PMDB, que disse nos últimos dias que não dará mais apoio para a líder política do país, Rousseff decidiu mirar nos partidos menores, até então chamados de do segundo escalão. Um deles é o PRB, legenda ligada à Igreja Universal do Reino de Deus. De acordo com a 'Folha de São Paulo', a presidente tentou fazer as pazes com o bispo da igreja evangélica, Edir Macedo, que também é dono da TV Record.

De forma humilde, Dilma teria ligado para o líder religioso pedindo ajuda, já que ele tem grande poder no PRB.

Publicidade
Publicidade

O mesmo bispo teria autorizado a legenda a pular fora do barco do governo, como informou recentemente o colunista Ricardo Feltrin, do UOL. Rousseff tentou mostrar sua lábia e convencer o dono da Record que é possível apoiá-la e todos crescerem juntos. No entanto, a governante acabou se dando mal. Edir Macedo não quis dizer que era contra, muito menos a favor dela. Ele apenas teria declarado: "vou orar por você". E é assim, dessa forma, com muita oração, que Dilma recebeu uma "grande" ajuda. 

Essa é apenas uma das muitas decepções que o governo tem levado nos últimos tempos. Ao mesmo tempo em que Rousseff não quer tirar os Ministros do PMDB que sobraram em seus ministérios, ela precisa prometer algo vantajoso para as demais legendas, afinal, do contrário, pouca gente se uniria à ela só por ideologia.

Publicidade

Um dos partidos que se mostra dividido em apoiar ou não a presidente é o Partido Progressista, o PT. 

Nesta quinta-feira, 31 de março, a governante se reuniu com artistas e líderes intelectuais, muitos deles beneficiados com leis do governo, como a Rouanet. Eles apelaram para dizer que tirar Dilma do posto mais importante da política brasileira é um golpe. Como esses artistas tem grande credibilidade, a avaliação é que Rousseff ganhou um fôlego a mais na corrida contra sua queda.  #Lula #Dilma Rousseff #Impeachment