De acordo com informações da jornalista Vera Magalhães do site da 'Revista Veja', em reportagem publicada neste sábado, 23, a presidente Dilma Rousseff pretende continuar usando os aviões da FAB para viajar por todo o país, mesmo caso seja afastada da presidência pelo Senado Federal. A constituição brasileira deixa claro que a líder petista pode continuar usando sua casa oficial, o Palácio do Alvorada, além de seguranças. Nada é falado sobre uso de aviões ou carros oficiais. Dificilmente o vice-presidente Michel Temer vai querer barrar essa ideia de Rousseff, diz a jornalista. O motivo, segundo ela, seria que Dilma argumentaria que ele está mais uma vez promovendo o "golpe".

Publicidade
Publicidade

A presidente tem usado esse mantra no Brasil e no exterior para tentar se livrar do processo de impedimento, coisa que até o Partido dos Trabalhadores (PT) já vê como iminente. 

Enquanto se defende, Dilma também tenta montar uma espécie de "governo paralelo". Para isso, ela terá ajuda de Ministros petistas, que após seu afastamento devem deixar os cargos em um movimento de "limpeza" de Temer. O novo governo continuaria sendo em um local conhecido do velho, o Palácio do Planalto. Por lá, Rousseff se reuniria com ministro, líderes sindicais, movimentos sociais, além de outros apoiadores. Ela também pretende viajar por todo o país, assim como acontece em período eleitoral, tentando convencer os brasileiros de que é vítima de um "golpe". 

Em entrevista dada nesta sexta-feira, 22, a dez veículos de comunicação estrangeira, Dilma indicou que pode recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra o impedimento.

Publicidade

Ela ainda criticou Ministros da mais alta corte que disseram que o discurso de "golpe" era um grave equívoco. Além disso, Rousseff anunciou que pode pedir sanções ao Brasil à entidades internacionais, citando o Mercosul e a Unasul. Tal anúncio aparece justamente quando o país passa por um dos momentos mais graves de sua história econômica. A oposição se disse horrorizada e chegou a avaliar os argumentos da presidente como "delirantes" e "mentirosas". Dilma voltou neste sábado, 23, ao Brasil. Ela antecipou seu retorno, que aconteceria neste domingo, 24.  #Dilma Rousseff #Impeachment #Crise-de-governo