Nesta segunda-feira, 11, os humoristas do 'Porta dos Fundos' decidiram polemizar a respeito do clima político que passa o país. Depois de terem sido acusados de petistas por conta de outra publicação, 'Delação Premiada', em que o grupo faz críticas à Operação Lava Jato, conduzida pelo juiz federal Sérgio Moro, os comediantes decidiram "confessar" que apoiam o Partido dos Trabalhadores (#PT). Tudo com muito bom humor, é claro. 'Delação Premiada' teve uma grande campanha negativa na #Internet e o 'Porta dos Fundos' perdeu centenas de fãs em seu canal no Youtube, nada muito grandioso para quem tem milhões de seguidores. 

Uma das críticas seria o fato do grupo ter sido autorizado a captar R$ 7,5 milhões através da Lei Rouanet para produzir um filme com a marca da organização.

Publicidade
Publicidade

Em dado momento, Fábio Porchat diz que o grupo foi descoberto por "coxinhas" que não sabem fazer muito bem artes na internet, mas que conseguem investigar tudo. Em seguida, ele sai colocando o que supostamente seriam dólares em uma mala. Já Gregório Duvivier, que já confessou algumas vezes ter votado em Dilma Rousseff para presidente disse que Lula (ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva) era um ladrão e que ele roubou o seu coração. 

Veja abaixo ao vídeo que está provocando muita polêmica na internet:

Os integrantes do 'Porta dos Fundos' usaram camisas com o logo do Partido dos Trabalhadores e da Central Única dos Trabalhadores (CUT). No momento final do produto de comédia, eles se perguntam o que fariam agora, que já não dá mais para defender um governo tão corrupto. Um homem de costas aparece segurando documentos aparece e eles gritam por "Bessias".

Publicidade

A referência está relacionada à interceptação telefônica feita pela Polícia Federal em que Lula e Dilma são flagrados. A presidente da república diz que se for necessário, ele pode acionar o 'Bessias'. 

Dias depois, o ex-presidente foi empossado no cargo de Ministro da Casa Civil. A posse, no entanto, não demorou uma hora, pois foi impugnada judicialmente. Mesmo semanas depois o político ainda não conseguiu virar o jogo e no próximo dia 17 precisará lugar contra o impeachment de Rousseff, quando acontecerá a votação do impedimento na Câmara dos Deputados. #É Manchete!