Assim quando começou a martelar em seus discursos que seu impeachment era um golpe de estado, a presidente da república Dilma Rousseff passou a chamar muita atenção na comunidade internacional, especialmente por conta do tamanho do Brasil e pelo fato da nação ser uma das maiores democracias do planeta. No entanto, segundo informações do 'Diário do Poder' em reportagem publicada nesta quarta-feira, 27, a ideia do "golpe" tem colado bem menos lá fora. Nem mesmo as embaixadas brasileiras tem divulgado que o Brasil passa por uma instabilidade, mostrando assim uma espécie de "abandono" à presidente. 

No passado, um funcionário do Itamaraty chegou a mandar uma circular interna, solicitando os embaixadores que conversassem com lideranças locais para falar que está tendo um "golpe" no Brasil.

Publicidade
Publicidade

Minutos depois outra circular foi enviada, solicitando que a primeira fosse ignorada. As embaixadas não tem usado, por exemplo, veículos de comunicação no exterior para dar entrevistas sobre o #Impeachment, muito menos para criticar um processo que é previsto em lei. Até o Ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, está calado sobre o assunto. Quando se reúne com colegas no exterior não tem se posicionado sobre o assunto, de acordo com informações do jornalista Cláudio Humberto. 

Neste sábado, 23, por exemplo, o representante de Dilma no exterior, Mauro Vieira, apenas discursou na Unasul felicitando a entidade. Ele não usou o precioso espaço para difundir qualquer ideia que pudesse prejudicar o Brasil. No fim de semana, em entrevista a jornalistas em Nova York, nos Estados Unidos, a presidente Dilma usou um precioso espaço para dizer que recorreria à cláusula democrática do Mercosul, podendo até tirar o Brasil do bloco, ou pelo menos dar sanções diretas ao nosso país. 

De acordo com informações do jornal O Globo, no entanto, para que qualquer sanção seja aprovada, todos os países do bloco precisam aprová-la, o que estaria longe de acontecer, especialmente em um momento em que a crise econômica atinge o bloco da América do Sul.  #PT #Dilma Rousseff