Na manhã desta quinta-feira, 07, o Movimento Vem Pra Rua, uma das maiores organizações que organizam protestos pedindo o impeachment da presidente Dilma Rousseff denunciou uma suposta censura do Facebook aos protestos. De acordo com um banner publicado por volta das 11h da manhã na fanpage oficial da organização, a rede social estaria bloqueando grupos que se reúnem para marcar as próximas idas às ruas de todo o país. 

O principal bloqueio teria acontecido em um evento que organiza a próxima grande manifestação contra a companheira do ex-presidente da república Luiz Inácio #Lula da Silva, marcada para o próximo dia 17, mesma data em que deve ocorrer a votação pelo impedimento ou não de Dilma.

Publicidade
Publicidade

Caso o processo seja votado por mais de dois terços dos parlamentares (escolhendo o Sim para o #Impeachment), ele segue para o Senado, que também precisará votar. Dilma ainda poderá pedir recurso ao Supremo Tribunal Federal (STF) no caso do documento passar pelas duas casas mais importantes da política brasileira.

Veja abaixo a mensagem na íntegra:

Segundo o movimento, os usuários não estão conseguindo mais convidar ninguém, o que tem limitado bastante a manifestação. Não é a primeira vez que esse tipo de problema acontece com a rede social. De acordo com o comunicado de reclamação do 'Vem Pra Rua', algo parecido teria acontecido no mês de março. No entanto, naquele período o Facebook relatou que teve problemas técnicos devido ao alto número de participantes em um único grupo. Teriam sido mais de seis milhões de convites em apenas duas semanas. 

O movimento de protesto contra Dilma diz que entrou em contato com o Facebook ainda no início da semana, mas que até agora não conseguiu solucionar a questão.

Publicidade

O 'Vem Pra Rua' disse  ainda que não entende o porquê a rede social tem se omitido em um momento muito importante para a política brasileira e lembra que só a página principal dos protestos tem mais de um milhão de seguidores. "Não é apenas o Vem Pra Rua que está sendo bloqueado, mas também as vozes de mais de um milhão de brasileiros", dizia o comunicado.  #Dilma Rousseff