A partir desta sexta-feira, 15, já estão agendados protestos em todo o país contra e a favor da presidente da república Dilma Rousseff. No domingo, 17, ela será vítima da votação do seu impedimento, que ao que tudo indica será desfavorável à petista. Estes protestos estão sendo organizados por 60 entidades diferentes só do lado da presidente, e outras dezenas contra ela. Do lado de Dilma, siglas como a do seu partido, o PT, além dos poucos aliados, como PC do B, travam a tentativa de virar o jogo aos 45 minutos do segundo tempo.

Um texto oficial da Frente pela "democracia" e contra o "golpe" pede que os manifestantes mobilizem fábricas, fechem estradas e tentem ao máximo barrar a ofensiva contra a presidente legitimamente eleita no pleito de 2014.

Publicidade
Publicidade

Raimundo Bonfim, que coordena o movimento, negou à Folha que tenha existido o pedido para "barrar" opositores e fecharem estradas, mas confirmou que existirão manobras de protestos a favor de Dilma. 

Em São Paulo, por exemplo, o movimento espera reunir 200 mil pessoas no Vale do Anhamgabaú. No mesmo dia, o Movimento dos Sem Terra (MST) disse que fará o dia internacional pela luta no campo, que acontece todos os anos. O MST também comunicou que pretende fechar diversas vias por todo o país. 

Em Brasília, temendo o confronto das duas partes, o governo do Distrito Federal decidiu construir um muro para dividir os dos lados das manifestações. De um lado opositores, do outro apoiadores da presidente. Entre os dois lados do muro, estarão policiais da força de segurança. A previsão da polícia militar de Brasília é que pelo menos 300 mil pessoas estejam na capital do país.

Publicidade

Por conta disso, mais de três mil profissionais de segurança já foram deslocados até a região, um número mair até do que foi utilizado para a Copa do Mundo, realizada no nosso país em 2014.

Até às 15h no horário de Brasília, segundo um infográfico montado pelo Estadão já são 334 parlamentares a favor do impedimento. São necessários 342 no mínimo para o documento ir para o Senado. Mais de 60 deputados ainda não se manifestaram e faltam apenas 8 a darem sua opinião.  #Lula #Crime #Impeachment