A cobertura da votação do impeachment contra a presidente da república Dilma Rousseff está mudando a rotina de muitos jornalistas. Apesar da maioria dos veículos de comunicação já ter lançado editoriais ou feito reportagens que dão a entender que eles são mais de esquerda ou direita, o objetivo de todos é evitar o máximo possível essa impressão. Depois da TV Record, foi a vez da Rede Globo de Televisão proibir que seu repórteres e apresentadores usem cores que possam servir contra ou a favor do protestos. Sendo assim, não iremos ver Sandra Annenberg vestida de vermelho #PT (Partido dos Trabalhadores), nem mesmo ninguém com um conjuntinho verde e amarelo.

Publicidade
Publicidade

Até mesmo o preto está sendo usado com extrema parcimônia, geralmente para os blazers masculinos, que já são dessa cor.

De acordo com informações do jornalista Flávio Ricco em reportagem publicada nesta terça-feira, 12, o apresentador Evaristo Costa chegou a ser censurado por escolher uma gravata verde para apresentar o 'Jornal Hoje'. Ele precisou trocar a peça. Como a Blasting News repercutiu no mês passado, a mesma atitude já está sendo tomada há tempos pela Record. Por lá, até mesmo quem não aparece no vídeo está sendo orientado a ter cuidado com o que veste. Na redação do 'Jornal da Record', um repórter e um editor chegaram a sair no tapa e rolaram pelo chão ao discutir política. Eles foram separados pelos colegas, que pediram mais diálogo.

O medo de que manifestantes contra e a favor de #Dilma Rousseff possam se agredir no próximo dia 17, data prevista para a votação do impeachment da presidente da república, fez com que o governo decidisse colocar tapumes ao redor da esplanada dos ministérios.

Publicidade

De acordo com a secretaria de segurança do Distrito Federal, só poderão passar de um lado para o outro da manifestação as forças de segurança que atuarão no protesto. Como são mais de 500 deputados e a votação será nominal, os trabalhos na Câmara serão realizados ainda na sexta-feira, 15, mas a votação mesmo deve começar entre o sábado, 16, ou já no domingo.  #Lula