E o governo decidiu tomar uma medida extrema contra o processo de #Impeachment da presidente da república Dilma Rousseff. A Advocacia-geral da União (AGU), representada pelo advogado José Eduardo Cardoso entrou nesta quinta-feira, 14, com um processo de anulação da votação de impedimento contra petista marcada para o próximo domingo, 17. O argumento na apelação é de que a denúncia contra a petista tem vícios que impedem seu prosseguimento e que não há como continuar com um processo que não contenha reais crimes. Até então, Dilma batia na tecla de que um processo contra ela era um golpe político. Agora, ela mesma decide ir contra o executivo e também ao que é previsto na Constituição brasileira, passando por uma decisão que deve ser tomada pela maioria dos deputados, caso o processo não seja cancelado.

Publicidade
Publicidade

O processo de impedimento que está na Câmara foi aceito por Eduardo Cunha, do PMDB do Rio de Janeiro. O principal argumento deste é que Dilma teria cometido as pedaladas fiscais, fazendo a edição de documentos governamentais e liberando créditos fora do orçamento para programas sociais, como o 'Bolsa Família' e o 'Minha Casa, Minha Vida'. Rousseff também nega que esteja cometendo qualquer tipo de crime e diz que o que fez foi em prol dos brasileiros, portanto, não poderia ser considerado erro de responsabilidade fiscal. Até mesmo o Tribunal de Contas da União (TCU) contestou a maneira como a petista vem governando e como ela dispôs os registros de suas contas. 

Em uma entrevista realizada nesta quarta-feira, 14, dada a diversos veículos de comunicação, mas com proibição de gravação de imagens, Dilma não descartou a hipótese de entrar na justiça contra o impedimento.

Publicidade

Ela, no entanto, preferiu não dar mais detalhes. A ofensiva da presidente aparece em um momento que a derrota do governo na Câmara já era sentida. A oposição comemorou ainda ontem que tinha a maioria dos parlamentares para aprovar a saída da petista. Dilma negou a informação e chamou a atitude de seus opositores de guerra psicológica dos números.  #Lula #Dilma Rousseff