O deputado federal pelo PSOL-RJ e ex-participante do BBB, Jean Wyllys, garantiu mais polêmica na última segunda-feira, 29. O político gravou um vídeo de quase oito minutos em que faz um discurso para chamar pessoas para lutarem contra o impeachment.

Embora tenha dito muitas vezes ser opositor de Dilma, arrancando risadas de outros parlamentares presentes na ocasião, o político não quer que a presidente seja retirada do governo antes de 2018 e para avisar que estaria nas ruas protestando contra o impeachment, decidiu abranger alguns pontos que julgou importante através de um vídeo.

Para começar, 'contou' que houve o ‘golpe militar’ sob desculpas de que havia corrupção naquela época, mas que essa mesma corrupção piorou após o tal golpe, deixando subentendido que o mesmo poderá acontecer novamente se o #Impeachment de Dilma se consumar.

Publicidade
Publicidade

O político também alegou que na ditadura, gays, pretos, feministas, 'minorias religiosas' e índios eram perseguidos e que se o impeachment de Dilma acontecer, as minorias, sobretudo os gays serão perseguidos, pois haverá uma política conservadora que aprovará o estatuto da família e do nascituro, destruindo os anseios dos ativistas LGBT.

O parlamentar também disse que o processo do impeachment é conduzido por políticos corruptos, destacando Eduardo Cunha e sinalizando mais uma vez que existe uma tentativa de golpe em andamento. De acordo com o raciocínio de Jean, impedir o impeachment também garante que os 'direitos' dos gays sejam respeitados.

Para complementar essa parte dos 'direitos dos gays', contraditório ao princípio da igualdade que determina que não pode haver distinção, privilégios ou diferenciação na forma de tratamento de um cidadão em relação ao outro, vale refletir no caput do artigo 5º da lei máxima do Estado:

“Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade”.

Wyllys encerrou seu raciocínio com um 'belo terror psicológico', insinuando que se o impeachment acontecer, haverá 'resistência' e a polícia brasileira, segundo ele, não trata bem a esquerda, os pretos e os pobres.

Publicidade

Para combater esse terror que segundo ele, os homossexuais e minorias estão prestes a viverem, chamou todos para irem ao protesto contra o impeachment ocorrido nessa quinta-feira, mas que foi 'prejudicado' em alguns locais do país por conta das chuvas.

Abaixo segue o vídeo de Jean, que dura quase 8 minutos, mas não estranhe se parecer que dura mais de oito anos. Observação: A partir dos 06:53 o parlamentar começa a cantar para complementar suas palavras finais.

Concorda ou discorda do vídeo? Deixe um comentário opinando. #Internet #Protestos no Brasil