De acordo com informações do jornalista Claudio Humberto, colunista do Diário do Poder, em reportagem publicada nesta quinta-feira, 21, a justiça americana quer explicações da presidente Dilma Rousseff no caso do 'Petrolão'. Lembrando que Dilma chegou nesta quinta ao estado de Nova York, nos Estados Unidos, onde deve promover um discurso na Organização das Nações Unidas (ONU) contra o seu processo de #Impeachment, dizendo mais uma vez que tentar retirá-la do poder é um "golpe". Segundo o colunista Claudia Humberto, caso não tivesse a chamada imunidade diplomática, Dilma seria conduzida para explicar seu comportamento omisso enquanto esteve no cargo de presidente do conselho de administração da maior estatal brasileira, a Petrobrás. 

Saia justa para o Itamaraty

A crise na Petrobrás e o 'Petrolão' também prejudicaram muitos americanos,  que investem em ações da estatal.

Publicidade
Publicidade

Com a reforma de regras na bolsa de valores em 2008, a crise na estatal brasileira poderia ser vista até como um calote. Por isso, o Itamaraty estaria tentando evitar qualquer tipo de saia justa nesse sentido. A reunião de que Dilma participa nem é para discutir impeachment, tampouco para os problemas da Petrobrás, mas sim sobre o clima. A questão é que jornalistas de todo o mundo devem questioná-la sobre esses outros problemas em sua carreira. 

Pasadena na mira da justiça

Os Estados Unidos, através de sua justiça, investigam, por exemplo, se a compra da refinaria de Pasadena teria sido criminosa. Isso porque o empreendimento teria valor de mercado de 42,5 milhões de dólares, mas custou trinta vezes mais, saindo pela bagatela de 1,3 bilhões de dólares. Um prejuízo inestimável. A delação premiada de Nestor Cerveró feita a à justiça na Operação Lava Jato indica que a presidente sabia da negociação para a compra da refinaria, mas que não fez nada, mesmo alertada de que o empreendimento estaria saindo por um valor extremamente mais caro que o de mercado. 

Processo no estado onde Dilma irá discursar

Na Corte Federal de Nova York, por exemplo, existe uma ação conjunta de americanos que investiram na Petrobrás, mas que tiveram grandes prejuízos com os investimentos da estatal.

Publicidade

O objetivo deles é conseguir uma indenização que chegue perto de 100 bilhões de dólares.  #Dilma Rousseff #Crise-de-governo