O juiz federal Sérgio Moro desconfia que o ex-presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva possa ter alguma relação com a filial da empresa panamenha Mossack Fonseca no Brasil. A Mossack é investigada na maior apuração já realizada por jornalistas de todo o mundo, a 'Panamá Papers'. Ao todo, pelo menos doze líderes políticos de todo o mundo são investigados, além de personalidades públicas, como o jogador de futebol Lionel Messi e até o cantor Roberto Carlos. 

A desconfiança de Sérgio Moro foi objeto de uma reportagem publicada no UOL neste sábado, 09. De acordo com o portal de notícias, o juiz federal que comanda a Lava Jato já encaminhou cópias de todos os documentos que estavam com ele e que envolviam a filial da empresa panamenha para o Supremo Tribunal Federal (STF).

Publicidade
Publicidade

Esse encaminhamento aconteceu no dia 30 de março, após uma determinação dada pelo Ministro Teori Zavascki, que ordenou que as investigações que envolviam #Lula fossem enviadas para a mais suprema corte do país. A determinação aconteceu depois da polêmica divulgação do áudio envolvendo o ex-presidente e #Dilma Rousseff

Após a divulgação do telefonema, a presidente Dilma decidiu empossar seu companheiro político do Partido dos Trabalhadores (PT) como Ministro da Casa Civil. Uma hora depois da posse, o cargo foi retirado de Lula, que segue sem ser Ministro. A Lava Jato decidiu investigar a empresa panamenha com filiam do Brasil pois ela passou a ter relações com um tríplex localizado no Guarujá. O imóvel fica ao lado do suposto apartamento de Lula. O político teria comprado uma parte do empreendimento localizado no edifício Solaris, mas depois acabou desistindo da empreitada. 

Sérgio Moro desconfia que a empresa criada (uma offshore) por intermédio da Mossack tenha ajudado a esconder o dinheiro adquirido com a corrupção da Petrobrás, justamente o objeto principal de investigação da Laja Jato.

Publicidade

Os documentos estavam até semana passada apenas com a justiça federal de Curitiba, mas agora ficarão com o Supremo, que decidirá se vai ou não fazer alguma coisa com eles.  #Impeachment