O deputado federal Paulo Maluf, eleito pelo PP de São Paulo, surpreendeu ao dar uma entrevista para o site do jornal 'O Estado de São Paulo' neste domingo, 17, poucos minutos antes de começar a votação pelo #Impeachment da presidente da república Dilma Rousseff. Ele comparou a líder petista à virgem Maria, mãe de Jesus Cristo na fé cristã. Segundo Maluf, Dilma não cometeu nenhum crime para ser afastada, mas mesmo assim ele disse que votaria pelo impeachment, dizendo que o país necessita de uma mudança urgente. 

O parlamentar disse que Rousseff é uma mulher honesta e correta, mas que foi contratada pelo ex-presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva para ser uma simples cozinheira em um ambiente desonesto.

Publicidade
Publicidade

Maluf durante a entrevista preferiu não dizer em quem iria votar, mas confirmou que se encontrou neste domingo com Lula. Ele chegou a mudar de opinião pelo menos uma vez durante as últimas semanas, uma hora dizendo que a contra a presidente #Dilma Rousseff, na outra dizendo que o impedimento não seria a melhor solução. 

 "Você lê os jornais?", questionou ele a jornalistas quando esses perguntaram novamente sobre qual seria o seu posicionamento. A diversos sites, como o do Estadão, ele se declarou favorável ao impeachment. Para que o processo contra Dilma passe na Câmara dos deputados são necessários pelo menos 342 votos. Até o fechamento desta reportagem, às 17h10, a votação ainda não havia começado, mas pelo menos 501 deputados haviam confirmado sua presença para votar. Ou seja, o número de faltosos deve chegar perto de zero.

Publicidade

Ao todo, são 513 deputados, muitos eram Ministros ou exerciam outros cargos públicos e se exoneraram temporariamente para votar. 

As manifestações, pelo menos até o momento, tanto as contra, quanto as a favor do governo, estão menor do que o previsto. Às 17h, por exemplo, a polícia militar do Distrito Federal, por exemplo, dizia que 25 mil pessoas estavam na região das Esplanada dos Ministérios. 17 mil contra o governo e 8 mil a favor. Elas eram observadas por três mil policiais de segurança e divididas por um enorme muro. Um telão foi instalado na região para que elas acompanhassem a votação. A expectativa é que os protestos se intensifiquem durante a votação e após o resultado oficial.  #PT