O deputado federal da bancada evangélica, Marco Feliciano usou as redes sociais para denunciar uma série de ameaças que vem sofrendo desde o último domingo, 17, quando votou favorável à abertura do processo de #Impeachment de Dilma.

Segundo Marco, todo parlamentar tem um número de celular privativo, próprio para ser usado em função do cargo de deputado e é justamente nesse número que tem recebido inúmeras ameaças de morte, bem como de estupro de suas filhas.

Feliciano conta que é muito fácil que os deputados esquerdistas tenham acesso a esses números e por isso, acredita que seu número foi passado por colegas esquerdistas para chamados ‘grupos sociais’ que estão o ameaçando, como CUT, MST, ativismo LGBT, entre outros.

Publicidade
Publicidade

O deputado não abre mão de seu voto e deixou claro que tal comportamento por parte dos ameaçadores não lhe intimidarão, pois o movimento pró-impeachment levará o mesmo até o fim para libertar o Brasil de um partido das trevas falido.

As declarações foram divulgadas em suas redes sociais pessoais do deputado, que possuem juntas quase dois milhões de seguidores. Os internautas se solidarizaram ao deputado através de dos perfis de Marco na internet e também através de grupos e páginas da direita.

Veja um dos tweets abaixo:

 

Represália e corrida contra o tempo

Com a decisão de 367 votos a favor e 137 contra o impeachment, esquerdistas decidiram demonstrar toda a sua insatisfação hostilizando políticos.

Publicidade

Essa semana o deputado Vitor Valim do PMDV, que foi hostilizado por duas petistas ‘desbocadas’ de Fortaleza por seu voto a favor do afastamento de Dilma.

Veja o vídeo:

Na terça-feira, 19, Tiririca, deputado federal pelo PR de São Paulo, foi chamado de golpista safado dentro de um aeroporto cearense. Na ocasião a mulher que não teve o rosto mostrado, disse que o deputado devia se envergonhar pelo voto que conferiu na votação do impeachment. Tiririca não parou para bater boca e prosseguiu seu trajeto, deixando-a falando sozinha.

O vídeo foi publicado originalmente na conta de uma mulher chamada Chris Pacheco e que internautas diversos alegam ser a mesma pessoa que fez o vídeo e hostilizou o deputado. Por outro lado, Tiririca ganhou diversos recados de apoio após o ocorrido.

Quanto ao governo, Dilma, Lula e o PT tentam evitar a consumação do impeachment no Senado, mas lá, cerca de 70% dos senadores são a favor do impeachment. Sabendo que o pior está prestes a acontecer, Dilma deixou o governo nas mãos de Michel Temer e foi para Nova York assinar o Acordo de Paris sobre o Clima, ocasião em que citou que a situação no Brasil é grave, que o brasileiro não aceitaria um retrocesso (fazendo referência a saída do PT do poder) e agradeceu o apoio que recebeu de alguns líderes. #Investigação Criminal #Crise-de-governo