Na noite desta sexta-feira, 15, o Movimento Brasil Livre (MBL), uma das maiores organizações que lutam a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff, usou as redes sociais para fazer uma séria acusação contra o governo. De acordo com o MBL, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estaria pagando deputados com dinheiro vivo para eles votarem a favor da líder do Partido dos Trabalhadores (PT) e contra o processo de impedimento. A votação oficial acontece durante todo este domingo, 17, começando a partir das 14h.  "O povo não aceita mais esse tipo de política. Queremos menos corrupção e mais ética na política e no Brasil", diz um trecho de uma das postagens do MBL. 

O ex-presidente está hospedado em um hotel luxuoso de Brasília, onde recebe aliados, indecisos e até deputados que já haviam declarado o seu voto a favor do #Impeachment.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o colunista Lauro Jardim de 'O Globo', nesta sexta, de cinco a dez deputados decidiram mudar de lado e apoiar Dilma. A informação pegou muita gente de surpresa, já que até então o movimento contra Rousseff parecia só aumentar. O governo diz que tem pelo menos 200 votos a seu favor, o que seria mais do que suficiente para barrar o impedimento. A oposição diz que tem entre 360 e 380, pelo menos 18 votos além do mínimo para que o processo seja aprovado.

Existem aqueles que acreditam que o clima do dia poderá mudar o voto de muitos deputados. Isso porque a transmissão da votação será exibida para todo o Brasil. Em Brasília, a Câmara dos deputados mandou instalar um telão gigante que terá custo de R$ 20 mil. O objetivo, de acordo com Eduardo Cunha, presidente da entidade, é fazer com que os brasileiros que vão se manifestar acompanhem a votação, assim como aqueles que estarão em casa.

Publicidade

No Rio de Janeiro, telões também serão montados na Orla de Copacabana, onde haverá um ato pró-impeachment. 

Para que nada aconteça com os que irão se manifestar, a segurança será aumentada. Pelo menos três mil policiais vão separar as manifestações contra e a favor de Dilma.  #Lula #Dilma Rousseff