Michel Temer, vice-presidente do Brasil, teria apelado para forças do além para vencer na votação do impeachment contra a presidente da república Dilma Rousseff. De acordo com informações do jornalista Léo Dias, em reportagem publicada nesta quarta-feira, 20, Temer teria viajado para o estado do Maranhão semanas antes da votação fatídica. Por lá, ele se encontrou com Wilson Nonota de Souza, o Pai de Santo Bita. Para chegar à residência do babalorixá, o vice-presidente teria pego a estrada, já que Bita mora a 292 quilômetros da capital São Luís, na cidade de Codó. 

O Pai de Santo está acostumado a receber políticos famosos, até mesmo presidenciáveis.

Publicidade
Publicidade

Dizem que Fernando Collor de Mello, presidente que renunciou ao mandato teria se encontrado Bito. A ex-primeira dama do governo Collor chegou a publicar um livro no qual expõe um suposto trabalho feito por Fernando para tentar derrubar o apresentador Silvio Santos, que em 1989 chegou a concorrer ao cargo mais importante do país. Outro cliente importante e ilustre de Bita seria José Sarney. No Maranhão, o comentário é de que o político não toma decisões importantes sem se consultar com o Pai de Santo. A informação, no entanto, nunca foi confirmada oficialmente pelo político. 

Se consultar com o Babalorixá não é algo barato. Gente como a gente paga de R$ 300 a R$ 500. No entanto, políticos precisam desembolsar o dobro, acima de R$ 700. Isso sem falar no trabalho que é realizado pelo Pai de Santo, que é cobrado como adicional.

Publicidade

O jornalista Léo Dias diz ter entrado em contato com a Tenda Espírita do babalorixá, mas a história abordada na matéria não foi confirmada, nem mesmo a parte da ida de Temer ao local. 

O homem religioso tem entre 95 e 105 anos, já que não revela a idade. Em entrevistas, ele também confirmou que não confirma o nome de clientes para não atrapalhar os serviços de sua tenda. Especialmente personalidades gostam de total descrição, até aquelas que são assumidamente espíritas ou seguem religiões com alguma raiz africana.  #Dilma Rousseff #Michel Temer #Crise-de-governo