Na noite desta segunda-feira, 18, o Ministro Gilmar Mendes do Supremo Tribunal Federal (STF) foi um dos convidados do 'Roda Viva', programa jornalístico de entrevistas exibido pela TV Cultura. Como não poderia ser diferente, o assunto da conversa com jornalistas foi o #Impeachment da presidente Dilma Rousseff. Neste domingo, 17, a líder petista teve uma derrota categórica na Câmara dos deputados, quando 367 parlamentares votaram a favor do impedimento, que já foi entregue pelo presidente Eduardo Cunha (PMDB - RJ) ao Senado.

De acordo com Gilmar Mendes, Dilma Rousseff não tem mais qualquer capacidade de governar o país. "Se o presidente não consegue 171, 172 votos é porque não tem condições de governar.

Publicidade
Publicidade

Ele não vai ser mantido no cargo por liminar do Supremo", adiantou ele. Mesmo sem citar a presidente, Gilmar disse em seu argumento que caso Dilma recorra ao Supremo Tribunal Federal para tentar reverter uma decisão na Câmara e no Senado, ela acabará perdendo essa batalha.

O argumento acaba sendo um adiantamento do seu voto sobre o caso, o que gerou grande polêmica nas redes sociais. O nome do 'Roda Viva' ficou entre os assuntos mais comentados do Twitter. No microblog de 140 caracteres, os internautas criticaram a falta de perguntas mais bem elaboradas para um convidado sem medo de dar respostas. Uma das atuações mais criticadas foi da repórter da Folha de São Paulo. Mais cedo, em um evento realizado com juristas de São Paulo, Gilmar Mendes chegou a dizer que liminar nenhuma salvava governo. 

Assista abaixo à entrevista completa cedida pelo Ministro:

Gilmar é considerado um dos grandes carrascos do governo Dilma.

Publicidade

Dos Ministros, ele é um que mais expõe suas opiniões como profissional e também como cidadão. Mais uma vez sem citar Dilma, o Ministro do Supremo disse que o fato de Rousseff não tem o mínimo de votos a seu favor mostra total debilidade. O jurista ainda confirmou que assistir à votação que aconteceu na Câmara dos deputados. Segundo ele, o rito do impeachment foi extremamente cauteloso e apoiado na constituição brasileira. 

.