Nesta segunda-feira, 04, o Ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF) esteve no 'Roda Viva', da TV Cultura, para falar do #Impeachment da presidente #Dilma Rousseff. Para muitos telespectadores, Marco parecia atuar como Cardozo, advogado-geral da União, que defende a presidente do processo de impedimento. "É uma vergonha", disse um internauta ao acompanhar a entrevista ao vivo. A cada fala do Ministro, ele levava uma "chicotada" dos que são contra o atual governo. “Agora nós vivemos tempos muito estranhos”, disse ele, sendo logo em seguida detonado e chamado de blogueira do Partido dos Trabalhadores, o PT, através do Twitter. Outra crítica feita ao Ministro foi o fato dele ter reclamado da atuação do juiz federal Sérgio Moro, que está a frente da investigação Lava Jato, mas deixar vazar seu rascunho sendo favorável ao pedido de impeachment do vice-presidente Michel Temer.

Publicidade
Publicidade

A informação chegou a ser enviada pela assessoria de imprensa do STF, mas depois corrigida.  “Não há como se imaginar que eu sou partidário desta ou daquela facção”, se defendeu Marco Aurélio Mello, tentando mostrar assim que não seria petista ou então que fazia um discurso de defesa para Dilma Rousseff.  O prezado leitor, pode acompanhar algumas das falas do Ministro e tirar suas próprias conclusões assistindo aos vídeos abaixo:

Parte 1

Parte 2 - Com os melhores momentos do debate

Em dado momento, o jornalista José Nêumanne Pinto, que recentemente denunciou uma pressão do governo Dilma que teria o demitido do SBT, além de ter proibido opiniões nos telejornais da emissora, disse que o governo estaria comprando parlamentares à luz do dia. No entanto, o Ministro preferiu sair falando de “caleidoscópio”. José Nêumanne ainda chamou o Supremo Tribunal Federal, chamando a mais alta suprema côrte de "leniente".

Publicidade

Ele ainda citou que o tribunal não tem atuado e que o STF é conivente com diversos parlamentes como Eduardo Cunha, além do ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva. "Se eu fosse bandido eu adoraria ao foro privilegiado", explicou.