O brasileiro pode encarar algumas dificuldades para se locomover em vias importantes do país nessa sexta-feira, 15. Isso porque grupos contrários ao #Impeachment decidiram ‘parar’ o Brasil nessa contagem regressiva para a votação de domingo.

A Frente Brasil Popular divulgou uma circular em que convoca todos os membros dos grupos que administram (mais de sessenta) à irem para as ruas nessa sexta e mostrarem-se contrários ao impeachmnt de Dilma Rousseff. Mais do que protestar, os grupos pretendem interditar as principais estradas do país.

Em meio aos participantes estão grupos conhecidos por sua violência durante manifestações, como o MST.

Publicidade
Publicidade

A CUT, que possui como presidente nacional Vagner Freitas, que por sua vez ameaçou publicamente acabar com Sérgio Moro, juiz federal responsável pelas investigações da operação Lava Jato, também participará do evento, onde todos devem estar uniformizados de vermelho.

Além de movimentos considerados pelo governo como ‘sociais’ e sindicatos, também haverá militantes do PT, do PC do B (Partido Comunista do Brasil) e PDT. Não houve informações sobre uma eventual participação do PSOL, que é apoiador de Dilma.

Na circular, o FBP convoca as pessoas a paralisarem fábricas e fazerem atos que gerem ‘impacto’ no país. O movimento vai mais longe e diz que o ato dessa sexta-feira será apenas uma ‘amostra’ do que acontecerá com o Brasil caso Dilma sofra o impeachment.

Autoridades policiais de todos os estados devem realizar ações preventivas e repressivas para eventuais casos de vandalismo e violência nas ruas.

Publicidade

Historicamente, quando ocorrem manifestações envolvendo grupos radicais de esquerda, costuma-se haver confrontos com a polícia e danos ao patrimônio público e privado.

Os manifestantes ameaçam que tal evento servirá de 'esquenta' para as manifestações que pretendem faz no domingo, 17, durante votação do impeachment e alertam que as ações realizadas pelos grupos em todo o Brasil serão uma amostra do que acontecerá se a presidente for afastada do governo. #Manifestação #Protestos no Brasil