João Pedro Stédile, um dos líderes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) fez nesta sexta-feira, 15, um duro discurso contra o documento que tramita na Câmara dos deputados e que será votado neste domingo, 17. Ele disse que se o impeachment passar na Câmara, a burguesia verá que a força do trabalhador é enorme e convocou os sindicatos a se unirem para fazer um dia de greve geral no Brasil. A greve seria convocada entre o período pós Câmara e o anterior ao Senado, o que deve demorar pelo menos duas semanas. Isso se o processo de #Impeachment passar mesmo na Câmara. De acordo com a Folha de São Paulo, houve uma debandada de deputados e tirando os indecisos, o projeto votou a ser favorável à Dilma, mas tudo pode mudar até a hora da votação, já que os dois lados farão pressão e também barganha.

Publicidade
Publicidade

João disse ainda que se o processo de impedimento não passar começará o que ele chamou de governo '#Lula 3', insinuando que o ex-presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva governaria na prática o país. "Ele estará cuidando do seu povo e a gente precisa dar essa chance para ele", disse o líder do MST.  Lula é hoje o candidato com mais votos para levar as eleições de 2018, mas em compensação também é o mais odiado, tendo mais da metade da rejeição dos entrevistados pelo Datafolha.

Movimentos contra e a favor do impeachment tem medo que os dois lados acabem entrando em confronto, já que a votação mais uma vez volta a ser nos patamares dos votos apertados. Desde o início da semana, o Partido dos Trabalhadores (PT) foi perdendo deputados, mas nesta sexta-feira, 15, muito apoiado em manifestações contra o impedimento que acontecem em todo o país, a coisa mudou um pouco de configuração. 

Até Às 20h40 no horário de Brasília, eram 343 deputados a favor (segundo um infográfico montado pelo Estadão), 133 contra e 37 que preferiram não manifestar os seus votos ou que eram indecisos.

Publicidade

Ou seja, ainda existe um voto a mais para que o processo seja apoiado, mas esses números devem novamente sofrer alterações amanhã, 16. #Dilma Rousseff