Uma imagem começou a viralizar como pólvora ainda na noite desta quinta-feira, 21. Ela mostra manifestantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra em frente ao consulado do Brasil no estado de Nova York, nos Estados Unidos. Não é possível dizer que a foto tenha sido registrada agora, quando a presidente Dilma Rousseff está no país de Barack Obama por conta de um congresso na Organização das Nações Unidas (ONU). Certo mesmo é que a imagem provocou muita polêmica, especialmente em torno da bandeira principal do movimento, que busca terras para os desfavorecidos e tem um discurso mais de esquerda, boicotando até mesmo a postura de países vistos de direita, como os Estados Unidos. 

A reportagem da Blasting News tentou entrar em contato com a assessoria de comunicação do MST, mas não obteve qualquer resposta.

Publicidade
Publicidade

Insistimos e enviamos um e-mail com alguns questionamentos, como por exemplo, quando o registro teria sido feito, porque os manifestantes do MST estavam em Nova York e se eles teriam ido do Brasil para os Estados Unidos. Se sim, como isso foi custeado. É preciso salientar que muitos brasileiros, até mesmo os que apoiam o movimento, hoje moram no exterior. Ou seja, as pessoas da imagem podem ser manifestantes que vivem no próprio Estados Unidos. 

Unido a isso, alguns meios de comunicação confirmaram que Dilma viajou para a ONU com uma coletiva de 52 pessoas. Não se sabe se ela transportou em seu avião representantes de movimentos sociais. Rousseff deve voltar para o Brasil neste sábado, 23. Segundo o blog político 'O Antagonista', editado por editores da revista Veja, a comitiva da presidente teria cancelado uma reserva em um hotel americano, o Plaza Athénée.

Publicidade

Apesar de não irem mais desfrutas dos aposentos do hotel, o Brasil teria que custear uma multa de cem mil dólares, cerca de R$ 350 mil. Os custos para o cancelamento não foram confirmados nem negados pelo Palácio do Planalto. Dilma está hospedada na casa de um diplomata, que precisou preparar a residência de modo frenético, como expôs a jornalista Míriam Leitão, do jornal 'O Globo'.  #Dilma Rousseff #Impeachment #Crise-de-governo