Muro levantado para separar manifestantes em Brasília, é apelidado de 'muro da vergonha'. Erguido para separar os manifestantes pró e contra o impeachment, a construção virou manchete em todo mundo, comparado ao muro de Berlim.

"Até quando a humanidade precisará de muros", esta é apenas uma das frases que estão sendo projetadas no muro metálico erguido no últimos dias, por presidiários de Brasilia. O muro vai servir de barreira para evitar o contato físico e possíveis conflitos entre os manifestantes prós e contras o impeachment, que pretendem "montar guarda" diante do plenário da Câmara nos dias da realização do julgamento do processo que corre contra atual presidente do Brasil, Dilma Rousseff.

Publicidade
Publicidade

Na intenção de chamar a atenção para o clima de intolerância que a construção sugeriu e que possa vir tomar conta das manifestações, de ambos os lados, um grupo de ativistas tem usado projetores multimídia para veicular mensagens com imagens do muro de Berlim, que teve sua queda história há mais de 25 anos.

No período noturno os projetores tem veiculado mensagens como: "Até quando a humanidade precisará de muros" e "Intolerância, mais um muro precisa cair".

Segundo notícia veiculada no portal EBC, disponibilizada em sua central de conteúdo, o muro que divide ideologias foi também pichado nos últimos dias, entre as pichações frases pedindo tolerância, como: "Política não é bem versus o mau, tolere" e "Olha a que ponto chegamos, vergonha", além de receber cartazes trazendo frases de efeito do tipo, "Muro da vergonha", "Muro de Berlim" e "Fora segregação", além de críticas ao governo.

Publicidade

Os muros, que na verdade são dois (com um vão no meio), medem 2 metros de altura e 1 quilômetro de extensão vão manter divididos os manifestantes, os contra o impeachment, que vão fica no lado norte e os pró-impeachment que ficarão no lado sul da Esplanada, com um corredor de 30 metros entre eles, onde as Forças de Segurança permanecerão em alerta.

Desde a sua construção, o muro já recebeu críticas de ambos os lados, e dos que veem nele uma triste mensagem, de que haverá vencedores e perdedores. Grupos de estudantes já fizeram protestos sob o coro de "Menos muros e mais pontes", a favor da democracia, sem extremismos. A construção virou manchete de jornais em todo mundo, o "The Guardiam" publicou matéria relatando o fato, e também fez alusão ao significado intrínseco da construção do muro da divisão, em um comentário duro o jornal fez a citação: "[...] depois de séculos de colonização, perseguição de comunidades indígenas, escravidão e capitalismo, nada neste país (Brasil) é dividido igualmente. Não há divisão da renda, não há democracia na propriedade da mídia, na há (consenso) na representação política e certamente não há nas opiniões sobre impeachment". #Crise no Brasil #Crise-de-governo