A crise política e econômica por qual passa o Brasil continua repercutindo da mídia internacional. Nesta segunda-feira, 04, Dilma Rousseff foi objeto de destaque de um dos maiores jornais americanos, o 'The New York Times'. A briga pelo poder no país foi comparado ao seriado 'Game of Thrones', onde apesar de se passar em um período medieval, também mostra que tudo pode ser feito quando o objetivo é o poder. Em outro momento, a publicação diz que o Partido dos Trabalhadores está em 'Pânico' com as interceptações telefônicas divulgadas pela Polícia Federal. Uma delas envolveu uma conversa entre Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva, que dias depois chegou a ser empossado como Ministro da Casa Civil. 

 

O texto da bastante ênfase para a atuação do juiz federal Sérgio Moro na Lava Jato.

Publicidade
Publicidade

A reportagem ganha a capa e praticamente toda a primeira página do 'The New York Times', que já chegou a publicar um editorial contrário a líder política do país, que nessa semana se defende de seu processo de #Impeachment na Câmara dos deputados. De acordo com as últimas pesquisas, cerca de 80% dos brasileiros não concorda com o jeito de Rousseff governar. É quase o mesmo número de eleitores que pede seu impedimento, cerca de 70%. Ainda assim, a líder política do país continua a dizer que a manobra para tirá-la do poder é um golpe movido pela oposição.

Os deputados estão divididos se vão votar ou não para que a votação do impeachment vai seguir ou não para o Senado. É justamente nesta etapa em que ficará configurado se Dilma vai mesmo deixar de ser presidente, ou pelo menos afastada do poder até que as investigações e o processo contra ela seja concluído.

Publicidade

Os próximos dias prometem ser cruciais na política brasileira. 

Geralmente, outra manobra política, a posse de Lula como Ministro da Casa Civil, repercutiu muito em todo o Brasil. As críticas partiram até de muitos petistas, que avaliaram que a escolha aconteceu no momento errado e que ficava a ideia de fuga da justiça, mesmo argumento utilizado pelos opositores.  #Dilma Rousseff