Após dizer em uma entrevista dada ao jornal 'Folha de São Paulo' que poderia mudar os policias federais que investigam a Operação Lava Jato mesmo que não tivesse qualquer prova sobre vazamentos ou irregularidades, o procurador da república Eugênio Aragão teve sua posse como Ministro da Justiça Suspensa. A decisão foi dada nesta terça-feira, 12, pela 7º Vara Federal de Brasília. De acordo com a decisão movida por Anísio Teodoro, Aragão não poderia ser Ministro porque a Constituição de 1988 prevê que membros do Ministério Público são proibidos de estarem em outros cargos que não na própria instituição. 

O governo não esperava a decisão judicial e foi surpreendido com a informação da justiça de Brasília.

Publicidade
Publicidade

Advogados do Palácio do Planalto acreditavam que por ser admitido antes da mudança na Constituição, Aragão poderia sim fazer parte do poder executivo. A justiça, no entanto, não concordou com o argumento e disse que a lei vale para todo mundo de forma igual. A suspensão da posse do Ministro da Justiça é mais um duro golpe na presidente da república #Dilma Rousseff, que vive agora as vésperas da votação do #Impeachment, prevista para acontecer no dia 17. 

A magistrada seguiu ainda um entendimento que já vinha sido utilizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no mês passado, quando o antecessor de Eugênio Aragão, Wellington Lima e Silva, foi retirado do cargo pelo mesmo motivo. A diferença foi que Wellington entrou no Ministério Público já depois da mudança na Constituição brasileira. Ele pertence à procuradoria da Bahia.

Publicidade

Aragão tomou posse no dia 17 de março e deu declarações polêmicas sobre a Polícia Federal, dizendo que qualquer indício de irregularidade seria suficiente para ele trocar completamente as equipes que conduzem a principal investigação do país, a Lava Jato. No momento da posse, o PPS chegou a questionar se ele poderia estar no cargo à mais alta Suprema corte brasileira. O caso no STF ainda não foi julgado, mas por conta da decisão de Brasília Eugênio já deixou de ser Ministro e não pode agir como tal.

Nas últimas semanas, outros Ministros de Dilma também provocaram polêmicas. Nenhum deles, no entanto, teve a suspensão de sua posse tão repercutida como a do ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva, que ficou menos de uma hora do cargo do Ministério da Casa Civil.