Este domingo, 03,  entrou para a história do jornalismo mundial. Um grupo internacional de jornalistas de vários países começou a divulgar o que deve ser o maior vazamento envolvendo corrupção da história de nosso planeta. Ao todo, são mais de onze milhões de arquivos ligados a políticos e empresários que foram conseguidos através de um escritório no Panamá. Muitos destes nomes enriqueceram de maneira ilícita, tendo escondido dados para evitar o pagamento de impostos. A investigação antes de sua divulgação teve que ser chegada e rechecada. No Brasil, o UOL, o Estadão e a RedeTV! tem direitos exclusivos sobre os documentos. 

A investigação já dura um ano e está sendo chamada pela mídia internacional como 'Panamá Papers', já que os papéis referem-se a uma empresa panamenha.

Publicidade
Publicidade

Pelo menos 128 políticos são mencionados de diversos países. Dentre eles, 12 são líderes mundiais. Nos documentos, negociações envolvendo parlamentares brasileiros também são evidenciadas. Um deles é Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados (PMDB - RJ). As informações da investigação são referentes ao trabalho exercido pela 'Mossack Fonseca' nos últimos 46 anos, envolvendo negociações entre 1976 e 2016. Por conta do número de documentos, o vazamento supera casos como o Wikileaks. 

Um dos maiores líderes mundiais, Vladimir Putin, presidente da Rússia, também é citado, mas indiretamente. Amigos do líder russo teriam enriquecido de maneira fabulosa, ocultando ganhos de dois bilhões de dólares no exterior. Outros presidentes, reis, ministros e políticos importantes, além de suas famílias, são mencionados.

Publicidade

Até mesmo figuras públicas, como o jogador do Barcelona Lionel Messi e o ator Jackie Chan entram na saga da documentação.

De acordo com informações do site da 'Revista Exame', policiais da Lava Jato já miravam a empresa panamenha que ajudava a esconder a renúncia fiscal de diversas personalidades desde janeiro deste ano. A suspeita na época era de que a Mossack teria colaborado na ocultação dos nomes dos reais proprietários do polêmico Triplex no Guarujá, São Paulo, a quem investigadores acreditam ser do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Até agora, essa hipótese não foi comprovada. No entanto, além do juiz Sérgio Moro, a compra do apartamento do Guarujá também é investigada pelo Ministério Público Estadual de São Paulo.

O nome de Lula não foi divulgado de forma direta ou indireta nessa primeira leva de revelações do 'Panamá Papers'. Apenas se fala que a empresa criou 107 offshores para 57 personalidades diferentes envolvidas no escândalo de corrupção da maior estatal brasileira, a Petrobrás. Além de Cunha, o nome do deputado João Lyra, do PTB alagoano também é citado.

  #Lava Jato #Investigação Criminal