Uma manifestação a favor da presidente da república Dilma Rousseff acabou em confusão na noite deste sábado, 16, em São Paulo. Isso porque a Estação República da Linha 3 do metrô paulista foi  invadida por pessoas com roupas vermelhas e bandeiras de apoio à líder política do país. Chegando ao local, centenas de manifestantes decidiram pular as catracas, não pagando assim pelo uso do transporte público. Antes da invasão, o grupo chegou a tentar negociar entrar de graça sem pular, mas não conseguiu qualquer acordo.

Com a falta de acordo começou uma grande confusão. Seguranças e manifestantes entraram em conflito e houve agressões das duas partes.

Publicidade
Publicidade

De acordo com informações do G1, dois seguranças do Metrô ficaram levemente feridos, mas nenhum dos manifestantes foi detido ou levado pela delegacia. 

Antes da confusão, o protesto seguia de maneira pacífica e era realizada na Praça do Patriarca. Até músicas com trilhas de Carnaval foram tocadas. Ainda ao entrar na estação, muitos adeptos do governo de Dilma Rousseff pareciam calmos. Uns tocavam músicas e outros simplesmente caminhavam, quando começou o movimento para não pagar pela passagem do Metrô. Em nota, a empresa que administra o Metrô chamou o grupo de desordeiro e confirmou o que os flagrantes de diversos jornalistas já mostrava, que eles usaram o transporte sem pagar. 

Essa não foi a única confusão do dia envolvendo manifestantes no dia. Mais cedo, em Brasília, um estudante de 23 anos foi agredido por um homem que seria segurança do ex-presidente #Lula.

Publicidade

A agressão aconteceu depois que um comboio saiu de onde o líder petista estava hospedado, um hotel luxoso da capital federal. Em nota, o Instituto Lula negou que o homem flagrado pela imprensa fizesse parte do quadro de funcionários de Lula, mesmo ele saindo de um dos carros que seguia em comitiva com o ex-presidente. 

Por conta da confusão, a segurança foi reforçada no local. Mesmo tendo um integrante de seu grupo agredido, os que pedem o #Impeachment continuaram na região do hotel. Mais tarde, uma mortadela inflável gigante chegou a ser ostentada pelos que protestavam. Nenhum registro de ocorrência foi feito sobre o caso, informou a polícia militar.  #PT