No fim da manhã deste domingo, 17, uma manifestação a favor da presidente Dilma Rousseff e contra o impeachment quase terminou em confusão na orla de Copacabana, bairro da Zona Sul do Rio de Janeiro. Por volta das 11h30, a polícia militar fechou a segunda pista da Avenida Atlântica, evitando que carros passassem pelo local. O fechamento aconteceu depois que um motorista tentou passar pelo local, mas um grupo vestindo camisetas da Central Única dos Trabalhadores (CUT) tentou impedir. De acordo com policiais, o motorista se irritou e simulou até que jogaria o carro em cima dos manifestantes a favor da presidente. Os profissionais de segurança então precisaram intervir, protegendo os dois lados.

Publicidade
Publicidade

Depois de muita conversa, os ânimos acabaram esfriando. 

A manifestação contra o "golpe", a favor da democracia, de Dilma e contra o impedimento tem até um trio elétrico com membros da Furacão 2000, um grupo de funk carioca. Os organizadores foram orientados a seguir em passeata apenas até o posto 3, que vai em direção ao Leme. O protesto precisa acabar no máximo às 13h. Mais tarde, próximo ao mesmo local terá um protesto pró-impeachment. Um telão exibirá o placar da votação na Câmara, que tem previsão para começar às 16h. Duas horas antes, às 14h, a sessão é aberta pelo presidente da Câmara Eduardo Cunha, do PMDB do Rio de Janeiro.

Confusões nas últimas horas

Neste domingo, uma mochila que teria uma bomba caseira foi encontrada com um grupo pró-impeachment. No sábado, 16, um segurança do ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva agrediu um manifestante que gritava 'Fora Dilma' em frente a um hotel de luxo, localizado em Brasília.

Publicidade

O aliado da presidente estava hospedado no local, onde recebeu diversos parlamentares e líderes políticos. O Instituto Lula nega que o homem pertença a equipe do líder do Partido dos Trabalhadores (#PT).

Também ontem, na mesma região, um grupo contra e outro a favor tiveram um breve momento de confronto. No local, uma mortadela inflável gigante foi montada. Ela tinha a palavra "Premium" estampada e insinuava que os manifestantes a favor da presidente iam às ruas em troca da comida. Os petistas também são chamados de "Mortadela", enquanto os manifestantes mais de direita recebem o apelido de "coxinhas".  #Dilma Rousseff