A polícia federal realizou um laudo baseado nas investigações da empresa Andrade Gutierrez, investigava na operação Lava Jato. Com a quebra do sigilo fiscal da empreiteira, começaram a ser apurados montantes enviados para personalidades e empresas. Uma delas é o ex-presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva, que neste domingo, 17, acompanhou ao lado de Dilma Rousseff a votação pelo #Impeachment de sua companheira política. A Câmara dos deputados votou por 367 "Sims" que o processo terá agora seu percurso ao Senado.

Na investigação da polícia federal, chama a atenção um pagamento altíssimo, de R$ 3,6 milhões, como expôs em uma ampla reportagem o jornal 'O Estado de São Paulo' nesta segunda-feira, 18.

Publicidade
Publicidade

O dinheiro seria destinado para o ex-presidente Lula em uma conta conhecida como "overhead". O caminho do dinheiro rapidamente chamou a atenção dos agentes, pois foi da mesma forma que outras empresas teriam sido beneficiadas com dinheiro de propina desviado da maior estatal brasileira, a Petrobrás. 

O dinheiro seria de doações e pagamentos a instituições ou empresas ligadas ao companheiro político de Dilma, que recentemente foi acusado de ter uma apartamento tríplex no Guarujá, São Paulo, além de um sítio em Atibaia. Até os pedalinhos do local tinham os nomes do neto do petista, mas mesmo assim ele nega que seja o dono da propriedade. O dinheiro da Andrade Gutierrez presente no laudo da Polícia Federal foi pago entre os anos de 2011 e 2014. Esse laudo foi fechado no dia 25 de fevereiro, mas anexado nesta segunda-feira à investigação sobre a participação da empresa de construção na Lava Jato. 

Agora esses dados presentes no laudo serão utilizados para o cruzamento de  informações, especialmente no caso das delações premiadas.

Publicidade

É preciso esclarecer que nas delações, executivos da Andrade Gutierrez negam ter pago propina paga Lula. O percentual de 1% nas obras aprovadas pelo governo eram negociados com aliados do petista e não com ele, não sendo possível dizer, portanto, que ele fazia parte do esquema. 

A defesa do Instituto Lula disse que os montantes pagos ao ex-presidente foram para pagar palestras que ele liderou. Lembrando que o petista já deu pelo menos dois longos depoimentos à Polícia Federal, um deles de forma coercitiva, ou seja, quando ele é obrigado a seguir os policiais até o local do depoimento, não sendo obrigado, no entanto, a falar qualquer coisa.  #Dilma Rousseff #Crise-de-governo