Nesta quinta-feira, 28, a Polícia legislativa do Senado Federal não deixou que manifestantes protestassem a favor da presidente da república Dilma Rousseff. De acordo com informações do UOL, o grupo pertence ao Comité Pró-democracia, que não concorda com o impedimento da líder petista, chamando esse de golpe. Até placas e cartazes foram retirados à força pela polícia, que teria orientado o grupo a reclamar do lado de fora. Em entrevista ao UOL, Bia Barbosa, uma das representantes do 'Pró-Democracia' falou sobre o episódio, dizendo que os manifestantes estavam aguardando em silêncio perto da sala onde aconteceu a comissão do #Impeachment

Eles estavam esperando a chegada dos advogados que acusariam Dilma do crise de responsabilidade fiscal através das pedaladas.

Publicidade
Publicidade

Falaram na Comissão os advogados Miguel Reale Junior e Janaína Pascoal. Ambos são autores do processo que foi enviado à Câmara dos deputados e aberto pelo deputado federal Eduardo Cunha, eleito pelo PMDB do Rio de Janeiro. O depoimento  de Miguel e de Janaína ainda era feito por volta das 19h no horário de Brasília, quando esta reportagem foi fechada. 

Ao todo, cerca de vinte pessoas participavam do protesto. Uma das frases dos cartazes mostrava escrito 'Qual é o crime?', questionando o fato de que o grupo pró-Dilma não acredita que ela tenha cometido nada de errado. A Polícia Legislativa do Senado Federal não comentou o episódio. Recentemente, Servidores foram impedidos de protestas dentro do Congresso Nacional, mas ainda assim de vez em quando aparece um grupo que descumpre a ordem.

Nesta sexta-feira, 29, será a vez dos advogados de defesa de Dilma começaram a falar.

Publicidade

Cada sessão demora no máximo duas horas, podendo cada um dos representantes falar por trinta minutos Esse tempo pode ser postergado dependendo da quantidade de pessoas que fala, podendo chegar até a quatro. A votação na Comissão do Impeachment do Senado está marcada para o dia 06, enquanto a que é aberta para todo o Congresso está prevista para o dia 11.  #Dilma Rousseff #Crise-de-governo