A tumultuada sessão de votação do impeachment de Dilma foi realizada nesse domingo, onde parlamentares defenderam seus respectivos pontos de vista sobre Dilma Rousseff e manifestaram seus votos.

Por 367 votos, o #Impeachment foi aprovado e segue para o Senado em nova votação que deve acontecer entre final de abril e início de maio.

Ciente de que Dilma cairia, antes mesmo do resultado, Lula já havia manifestado interesse em defender eleições gerais e recebeu apoio do presidente do Congresso, Renan Calheiros, não descartou criar uma comissão para discutir possíveis novas eleições.

Embora o PT não admita, a animação de Lula se deve ao ‘resultado’ da última pesquisa Datafolha, que informou que se as eleições fossem hoje, Lula ganharia, deixando seus principais oponentes em terceiro e quarto lugar: Aécio e Bolsonaro.

Publicidade
Publicidade

Embora a pesquisa seja questionada pelos brasileiros, a mesma foi suficiente para que petistas divulgassem os dados em suas contas oficiais, bem como a propagassem em redes sociais de militantes e artistas que defendem o governo.

Denúncia

Ontem, 16 de abril, o deputado federal Jair Bolsonaro denunciou que o PT está usando o falso pretexto de que os Estado Islâmico quer atacar o Brasil para poder realizar ataques e retomar o poder em caso de impeachment.

O governo de Dilma, que oficialmente não deve durar mais que um mês, possui apoio de de Evo Morales. O governo petista também defende a criação da Palestina pelo grupo terrorista Hamas e por isso não quis aceitar o novo embaixador de Israel.

Além disso, os movimentos sociais apoiados pelo governo sempre protagonizam cenas de violência quando manifestam-se nas ruas.

Publicidade

Michel Temer

O vice presidente da república não deve se pronunciar hoje e manter-se resguardado para poder governar o país com a saída oficial de Rousseff. A informação foi divulgada em um áudio feito por ele mesmo e que vazou para a imprensa. Ao ser questionado, Temer disse que não retira uma palavra se quer do eu disse na gravação e que seu único erro foi ter deixado, por um descuido, o áudio vazar antes do tempo. #Dilma Rousseff #Crise-de-governo