O clima esquentou nesta segunda-feira, 25, na frente de um hotel localizado na rua mais popular de São Paulo, a Avenida Paulista. No local, o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva fará um discurso em uma espécie de celebração organizada pelo Partido dos Trabalhadores (PT). O companheiro político da presidente da república Dilma Rousseff terá encontro com líderes de vários continentes, como Europa, Oceania, África e Ásia.  O objetivo é tentar apoio político para defender Dilma do processo de #Impeachment, que agora está no Senado Federal.  

Não gostando da reunião, um grupo de manifestantes a favor do impeachment e contra o PT protestava no local.

Publicidade
Publicidade

No fim da manhã, outro grupo, dessa vez, a favor de Dilma e contra o impedimento chegou ao local. Houve um princípio de confronto. A Polícia Militar foi chamada para tentar mediar a situação. Com cartazes de faixas de 'Fora PT', o grupo contrário à presidente entoava gritos de ordem. O mesmo para o outro lado, que gritava que não iria ter "golpe". A palavra "golpe" tem sido usada pla líder petista na hora de se defender contra o processo de impedimento.

No fim de semana, a presidente viajou para o estado de Nova York, nos Estados Unidos, onde discursou na Organização das Nações Unidas (ONU) em uma conferências sobre mudanças climáticas. Em seu discurso, Dilma pautou o que o país tem feito para ajudar o meio ambiente, falando brevemente e apenas no final sobre a crise política que passa o Brasil.

Publicidade

Segundo Rousseff, os brasileiros não aceitariam qualquer tipo de retrocesso.

Ela também se reuniu com jornalistas de dez veículos de comunicação estrangeiros para uma entrevista coletiva. Nessa, ela revelou que pode solicitar sanções ao Brasil através de órgãos internacionais parceiros do país, citando o Mercosul e a Unasul. Dilma lembrou que existe a chamada cláusula democrática, na qual caso haja problemas na democracia em um país esse passaria por sanções. A Unasul por enquanto rejeita a ideia de punir o Brasil. Segundo o jornal O Globo, o mesmo deve se repetir com o Mercosul.  #Dilma Rousseff