De acordo com informações da Organização não Governamental 'Contas Abertas', a Presidência da república teria reservado nas últimas semanas R$ 3,6 mil para a aquisição de diversos medicamentos. Na lista, aparecem remédios para amidalite, para ajudar a dormir, controle de depressão e taquicardia. Só este último, por exemplo, teve 50 ampolas solicitados. Número alto também para a aquisição de água destilada, em torno de 1200 compradas. O Palácio do Planalto também encomendou 120 comprimidos de um anti-psicótico conhecido como quetiapina. Midazolam, utilizado para insônia também foram solicitados. 

É bom lembrar que recentemente uma reportagem da revista 'Isto É'  disse que #Dilma Rousseff estaria tendo ataques de nervos e utilizando remédios controlados.

Publicidade
Publicidade

Ao comparar as atitudes destemperadas da presidente com atos de loucura, a 'Isto É' provocou muita polêmica e também uma reação do governo. A advocacia-geral da união anunciou que processaria a revista por falar inverdades. Dilma também se pronunciou e disse que a 'Isto É' estava sendo misógina, fazendo aquele tipo de matéria só pelo fato dela ser mulher. 

A ONG 'Contas Abertas' confirmou pelo menos uma parte da reportagem da revista, o fato de que a presidência teria solicitado remédios para a bipolaridade. A adenosina, por exemplo, pode ser utilizada por todas as pessoas a partir dos dez anos. Outro medicamento anti-psicótico que foi comprado foi a quetiapina. 

Neste domingo, 24, a presidente Dilma fez novas reuniões com sua base aliada. Ela chegou no dia anterior de uma viagem ao estado de Nova York, nos Estados Unidos.

Publicidade

Ela estava na terra de Barack Obama para fazer um pronunciamento na Organização das Nações Unidas, ONU. Por lá também, a líder política do país deu uma entrevista a fez veículos de comunicação internacional. A declaração mais polêmica apareceu quando a aliada política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que se o processo de #Impeachment dela avançasse no Senado, ela poderia pedir sanções ao Brasil em organismos internacionais, citando a Unasul e o Mercosul. 

A declaração provocou uma escandalização de políticos brasileiros. Alguns chegaram a dizer que os argumentos de Dilma eram "mentirosos" e que ela era delirante. #Crise-de-governo