Nesta terça-feira, 12, os brasileiros acordaram atordoados com mais uma prisão importante efetuada pela Operação Lava Jato. Um dos presos é o ex-Senador Gim Argello, do PTB do Distrito Federal, que foi um dos aliados do Partido dos Trabalhadores (PT) enquanto esteve no Congresso. No primeiro mandato da petista, ele era um dos principais articuladores de seu governo. Suplente de Joaquim Roriz, ele assumiu a cadeira do Senado em 2007, que saiu da política após renunciar. A renúncia ocorreu depois que uma gravação telefônica mostrava Roriz negociando a divisão de um cheque pomposo, de R$ 2,3 milhões. 

Seu substituto, Gim Argello já respondia naquela época a seis processos administrativos.

Publicidade
Publicidade

Ainda assim, ele assumiu e foi muito importante na articulação pró-Dilma. A presidente chegou a pensar colocá-lo em 2014 em uma vaga de destaque do Tribunal de Contas da União (TCU). O TCU, no entanto, resistiu ao nome e o Palácio do Planalto e Gim decidiram abortar a polêmica candidatura. O rompimento com Rousseff só ocorreu no fim de 2014, quando Gim apoiou o candidato a governador José Roberto Arruda nas eleições para o governo do Distrito Federal. O candidato de Argello acabou perdendo. A vitória foi de Roberto Rollemberg, do PSB.

A prisão do ex-senador, mesmo que de forma preventiva e temporária, por enquanto com  o período de cinco dias, joga mais água na campanha de Dilma para se manter no poder. O tempo da prisão é suficiente para que ocorra a Votação contra ela na Câmara dos deputados, que deve ocorrer no domingo, 17.

Publicidade

Além de ser um ex-aliado do Partido dos Trabalhadores, Gim coloca o temor em outros parlamentares que tem a ficha suja. Afinal, entende-se que com a deposição de Dilma a operação Lava Jato pode ter uma fase menos incisiva entre os políticos, talvez até se encerre para alguns.

Em uma votação que promete ser difícil e apertada, qualquer fato novo, como esse, só prejudica ainda mais a vida da petista, que ainda tem chances de se salvar, mas tem um caminho curto e difícil até domingo. Enquanto isso, o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva tenta convencer o povo a ser contra o impedimento, dizendo que ele será um "golpe". Nesta segunda-feira, 11, por exemplo, ele se reuniu com Chico Buarque e outras personalidades em um evento realizado na Lapa, no Rio de Janeiro.   #PT #Impeachment