Se depender do cientista político Bolívar Lamounir, que é filiado ao PSDB, o ex-presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva deve ser preso. A informação foi publicada nesta quinta-feira, 07, pelo site do jornal 'O Estado de São Paulo'. De acordo com a publicação, Bolívar já envio um ofício para Rodrigo Janot, procurador-geral da República. O documento sugere a prisão preventiva do aliado da presidente #Dilma Rousseff.

O motivo para a prisão, segundo o cientista político, foi uma suposta atuação  de #Lula na tentativa de conduzir a compra de parlamentares para votarem contra o #Impeachment de Dilma. De acordo com uma nota publicada no jornal 'O Globo', o governo teria oferecido R$ 1 milhão para o estado de cada deputado que votasse a favor de Rousseff e R$ 400 mil para aqueles que se mantivessem isentos.

Publicidade
Publicidade

As informações são negadas pelo Palácio do Planalto. Caso confirmadas, poderiam tirar Dilma do poder por improbidade administrativa.

No ofício, Bolívar pede uma intervenção urgente da procuradoria. Não é a primeira vez que alguém solicita a prisão preventiva de Lula. No mês passado, o Ministério Público de São Paulo também chegou a fazer o pedido, que seria motivado para que o ex-presidente não atrapalhasse as investigações sobre o seu suposto Triplex, no Guarujá, São Paulo. Dias depois do pedido, Dilma conversou com Lula e decidiu dar a ele o cargo de Ministro da Casa Civil.

O político até chegou a ser empossado no Ministério, mas não ficou nem mesmo uma hora no cargo, sendo retirado dele através de medidas judiciais. Por conta disso, Lula perdeu o foro privilegiado. De qualquer forma, ele obteve uma considerável vitória no Supremo Tribunal Federal (STF), já que a mais suprema corte determinou que Sérgio Moro, que comanda as investigações da Operação Lava Jato, não apurasse mais qualquer suspeita de crime envolvendo o ex-presidente. 

Enquanto medidas judiciais ainda impedem a posse de Lula, ele atua sem cargo oficial nos bastidores do Palácio do Planalto, usando sua influência para tentar salvar a presidente do processo de impedimento.