Após inúmeras postagens e discursos apoiando a presidente da república Dilma Rousseff, o deputado federal Jean Wyllys, do PSOL do Rio de Janeiro, foi relembrado sobre uma polêmica que aconteceu no ano passado. Um filme sobre o ex-participante do 'Big Brother Brasil' recebeu a autorização para captar mais de R$ 842 mil através da Lei Rouanet. Por meio dessa lei, o governo abre mão de uma parte do imposto de renda das empresas, que destinam uma porcentagem do que iria para o 'Leão' para patrocinarem projetos culturais. 

Tal fato, visto como muitos como um ato narcisista do deputado, repercutiu muito na internet, tanto naquela época, quanto agora.

Publicidade
Publicidade

Tanto é que os produtores do filme acabaram desistindo de tentar captar o dinheiro, preferindo conseguir fundos de maneira independente. A autorização de captação chegou a ser publicada pelo site do Ministério da Cultura, mas não há nada que conste lá que o dinheiro realmente foi conseguido. Meses depois da notícia sair na imprensa, a equipe do filme deu entrevistas dizendo que queria R$ 120 mil para fazer o que chamavam de projeto ambicioso, contar a vida de um ex-BBB que virou deputado. 

Em março daquele ano, eles tinham conseguido R$ 30 mil e já começavam as filmagens. As divergências dos números, obviamente, geraram polêmicas. A primeira delas é: por que os produtores desistiram de captar a quantia autorizada pelo governo? A segunda é: Como conseguiram transformar uma obra que custava 842 mil em uma que saiu por 120, um valor sete vezes menor? É claro que é possível fazer um vídeo até sem dinheiro nenhum, usando apenas uma câmera, mas tal fato foi lembrado e contestado em um momento quando a discussão da política brasileira está mais forte.

Publicidade

Jean foi o primeiro ganhador do BBB a receber R$ 1 milhão. Em sua última vitória nas eleições, ele teve mais de 13 mil votos pelo PSOL e consolida-se como uma das figuras mais lembradas do mundo LGBT. Nesta semana, ele discutiu e fez ofensas contra uma âncora da Globo News. De acordo com Leilane Neubarth, as ofensas foram apagadas pelo deputado na tentativa de "queima de provas".  #Lula #Dilma Rousseff #Impeachment