Um dia após a cena lamentável protagonizada pelo político socialista Jean Wyllys, o PSC – Partido Social Cristão, do qual Jair Bolsonaro faz parte, entrará com uma representação contra o ex-BBB por quebra de decoro parlamentar.

Jean cuspiu em Bolsonaro gratuitamente logo após votar contra o #Impeachment de Dilma Rousseff. Se por um lado a TV da Câmara não mostrou tais imagens, por outro outras câmeras estavam presentes no local e divulgaram o fato lamentável em programas de TV e na internet.

Jean alegou em sua defesa que Bolsonaro havia o ofendido com palavras ‘homofóbicas’, como 'boiola', 'queima-rosca' e 'veado', e que até tentou agarrar o seu braço, por isso reagiu e que não negava, nem se envergonhava pelo seu comportamento.

Publicidade
Publicidade

As imagens mostram que os dois não estavam próximos e que Jair se encontrava atrás de outro parlamentar no momento que foi atingido pelo ex-global, que hoje prega que a Globo é golpista.

Por estas mesmas imagens também é possível perceber que Jair não xinga o colega, mas diz ‘Tchau, querida’ junto aos demais parlamentares de direita no local, frase usada pelo movimento pró-impeachment em sátira a despedida de Lula ao telefone com Dilma em uma ligação grampeada pela Polícia Federal.

Em breve entrevista ao ‘Extra’, Jair Bolsonaro anunciou que representará contra Jean junto ao Conselho de Ética da Câmara pelo ocorrido. Wyllys pode ser punido desde uma ‘censura oral’ até ter o seu mandato cassado pela casa como punição.

O Universo Online divulgou que o requerimento será entregue a Mesa Diretora da Casa, que deve encaminhar o processo para o Conselho de Ética.

Publicidade

Jean disse não temer e sua assessoria afirmou que se Bolsonaro e seu partido o processar ele terá ‘dezenas’ de políticos que podem ‘testemunhar’ a seu favor sobre o ocorrido.

Como funciona esse tipo de processo interno?

Se o Conselho de Ética, presidido por José Carlos Araújo (PR-BA), recomendar punições mais severas ao parlamentar, a decisão deve ser votada de maneira secreta pelo plenário em até dois dias, de onde chegarão a decisão final sobre a condenação ou absolvição do parlamentar acusado de quebra de decoro. #Justiça #Câmara dos Deputados