O Partido dos Trabalhadores (#PT) já tem o plano B caso o impeachment da presidente da república vá para frente e passe para o Senado. Antes mesmo da votação na Câmara dos deputados neste domingo, 17, líderes partidários já discutiam a possibilidade de começar a campanha das 'Diretas Já'. Sim, assim como usa a expressão 'Golpe' para o processo de impedimento contra a líder petista, a legenda do ex-presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva quer utilizar de um slogan criado nos períodos pré-redemocratização. 

A ideia é com a queda de Dilma dizer a todo o vapor que Michel Temer não tem como governar e que só eleições gerais dariam a resposta que o povo brasileiro quer.

Publicidade
Publicidade

Internamente, de acordo com informações da coluna da jornalista Mônica Bérgamo em reportagem publicada neste sábado, 17, #Lula já sente a derrota e também apoia novas eleições. "O Brasil está cansado", teria dito ele em uma conversa com interlocutores. Lembrando que o PT está no posto mais importante da política brasileira há mais de treze anos. 

Espanta também que a legenda já não ouve tanto Lula como fez no passado. Apesar de sua opinião ser muito importante, ela não é mais a final. Isso também estaria espantando o líder político, que teme como será a reação da legenda pós impeachment. Não é a primeira vez que o assunto Eleições Gerais ganha força nessa corrida contra e a favor da deposição da presidente.

Recentemente, em entrevista dada a jornalistas de todo o Brasil, a primeira mulher eleita do país falou sobre o assunto e mandou os repórteres perguntarem primeiro a todos os Senadores e Deputados se eles iriam entregar seus cargos, só para depois entrar em contato com ela.

Publicidade

Em vários discursos, Dilma tenta se mostrar humilde e que haverá uma repactuação, sem vencedores e vencidos. Ela faria um pronunciamento em cadeia de rádio e televisão na noite desta sexta-feira, mas esse foi cancelado pela assessoria da presidente. Horas depois, uma liminar da Justiça de Brasília proibiu que a petista utilizasse o espaço para se defender politicamente. #Dilma Rousseff