Nesta semana, um momento inusitado e lamentável aconteceu nos bastidores da TV Record, em São Paulo. De acordo com informações do jornalista Flávio Ricco, dois funcionários do canal brigaram por conta de uma discussão política. O clima no país tem gerado muitos debates, especialmente no que gira em torno do possível #Impeachment da presidente da república #Dilma Rousseff. Segundo o UOL, um editor e um jornalista do canal saíram no tapa. Cansados de argumentar para tentar chegar a um diálogo, eles foram para as vias de fato.

Agressão em ambiente de trabalho

Um dos profissionais seria petista, enquanto o outro seria pró-PSDB.

Publicidade
Publicidade

Tudo ainda começou ainda em xingamentos, mas a coisa esquentou. O editor e o repórter não tiveram os nomes revelados pelo colunista Flávio Ricco, que disse ainda que eles se empurraram e teve até um tombo até o chão. Enquanto eles saiam na porrada, demais colegas tentaram separar a briga. "Deixa disso", disse um deles. A briga física pode acabar atrapalhando a vida profissional dos rapazes, já que aconteceu dentro dos bastidores da redação do 'Jornal da Record', principal telejornal da emissora. 

Nada de 'Bandeiras'

O caso agora será analisado. A Record não se posicionou dizendo se o caso gerará ou não uma demissão. De acordo com uma fonte da Blasting News, esse tipo de briga também tem acontecido nos veículos de comunicação. O mundo de muitas pessoas é que o resultado do impeachment, seja ele qual for, não inflame só os bastidores da mídia, mas também a população brasileira.

Publicidade

Para tentar evitar qualquer discussão sobre o tema, o canal proibiu que seus apresentadores e repórteres utilizem as cores vermelho, além da combinação que lembre a bandeira do Brasil.

O processo de impeachment

O Sindicato dos Jornalistas de São Paulo ainda não publicou em seu site ou nas redes sociais qualquer nota sobre o caso. Nos próximos dias, acontecerá a votação do impeachment na Câmara dos Deputados. Para que o processo de impeachment seja levado ao Senado, pelo menos dois terços dos deputados precisam aprová-lo. Os votos para os dois lados estariam bem "apertados".  #Rede Record