O Senador do PDT Lasier Martins não só deve contraria a decisão de seu partido, o PDT, que solicitou que ninguém vote contra o governo, como também tem sido irônico com a decisão da legenda. Ele já tem até sugerido que um líder do PDT case com a presidente Dilma Rousseff, tamanha a proximidade dos dois. Nesta terça-feira, 19, Lasier Martins usou a tribuna do Senado para criticar a decisão de seu partido, em especial o presidente da sigla, Carlos Lupi, que foi Ministro do governo da líder petista. O PDT é um dos maiores apoiadores da presidente e pediu que seus deputados votassem contra o #Impeachment na votação que aconteceu na Câmara dos deputados no último domingo, 17.

Publicidade
Publicidade

Segundo o Senador, a postura adotada por Lupi está prejudicando a sigla, deixando ela muito pequena. Lasier argumentou que a legenda tem passado por questões muito sérias, especialmente porque nos últimos tempos três Senadores decidiram mostrar-se contrários a opinião de Lupi e do partido em continuar fazendo parte da base governamental. Segundo o Senador, a situação atual é deplorável e Lupi estaria promovendo um desvirtuamento da legenda. 

Eleito pelo Rio Grande do Sul, o político ainda foi irônico ao fazer as críticas, solicitando que Lupi e Dilma se unissem não só na política, mas também na vida amorosa. O Senador lembrou quando o presidente do PDT foi demitido do cargo de Ministro por Dilma, mas mesmo assim, logo em seguida, teria dado uma entrevista em que informou que amava Rousseff.

Publicidade

"Se Carlos Lupi ama Dilma, que case com ela! Mas deixe o PDT em paz", mandou a direta o Senador, que ao que tudo indica, não seguirá a orientação da legenda, votando contra o impeachment. Seus discursos, pelo contrário, mostram que ele é contra o governo. 

O PDT realmente decidiu ir contra os próprios deputados. Os seis parlamentares que votaram contra a ordem de não ir contra a Dilma sofrem um processo administrativo da sigla. O que irá acontecer com eles só deve mesmo ser decidido após Rousseff ter certeza se será ou não afastada do governo pelo Senado. Isso porque o grupo partidário de Lupi só deve se reunir no fim de maio para avaliar o que será feito com os "traidores".  #Dilma Rousseff #Crise-de-governo