O clima esquentou na noite desta quinta-feira, 07, no Congresso Nacional. Dois Senadores tiveram um bate boca cercado de muito ódio e ofensas. Os envolvidos são Ronaldo Caiado, do Democratas de Goiás, e Donizete Nogueira, do Partido dos Trabalhadores do Tocantins. Os dois teriam que discutir apurações sobre a Reforma Agrária, mas a sessão precisou ser interrompida antes de qualquer decisão devido ao destempero dos dois políticos. A discussão aconteceu no momento em que Patrus Ananias, Ministro do Desenvolvimento Agrário, prestava um depoimento à comissão. Os dois Senadores começaram a gritar e houve até acusações se assassinato. No fim das contas, Patrus acabou nem respondendo aos questionamentos sobre as supostas fraudes na reforma agrária apontas pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

Publicidade
Publicidade

Ronaldo Caiado acusou o Partido dos Trabalhadores de ter matado o prefeito Celso Daniel, de Santo André, e Toninho do #PT, de Campinas. A morte de Celso Daniel aconteceu há quatorze anos e voltou à tona com a investigação da Lava Jato, maior apuração sobre a corrupção envolvendo empresas estatais, políticos e grandes empresas. De acordo com o Senador, o crime teria acontecido com o objetivo de "queima de arquivo". Antes disso, o Senador Petista disse que Caiado teria sido um dos líderes da União Democrática Ruralista, que teria resultado no assassinato de muitos trabalhadores rurais.

A discussão começou a ficar mais acaloradas depois que Caiado questionou o político petista sobre atos violentos realizados pelo Movimento dos Sem Terra. Além disso, o representante do Democratas lembrou o relatório do TCU, que diz que 587 mil pessoas que recebem benefícios da reforma agrária sequer existem. 

"Nesse assunto vossa excelência é professor catedrático, conhecedor profundo de assassinatos, queima de arquivos.

Publicidade

O PT é profissional", disse o político do DEM aos gritos. O petista disse que seu colega estava mentindo e que era "criminoso". Em seguida, o Senador do Democratas mandou Donizeti calar a boca.  #Lula #Dilma Rousseff