E o juiz federal Sérgio Moro é uma das 100 pessoas mais influentes de todo o planeta. A avaliação dessa vez foi realizada pela revista estadunidense 'Time'. Não é a primeira vez que o homem que comanda a maior operação da Polícia Federal da história, a Lava Jato, aparece um uma lista do tipo. No mês passado, ele estava em um ranking promovido pela 'Fortune', que o colocou no décimo terceiro lugar de uma lista com cinquenta nomes. As duas listas mostram nomes de artistas, ativistas, líderes mundiais e empresários, mas a 'Time' é sempre uma das mais esperadas, decido a repercussão que provoca. O nome de Moro já estava no site da revista na tarde desta quinta-feira, 21.

Publicidade
Publicidade

Moro é tido como um carrasco dos corruptos no Brasil. O episódio mais marcante da Lava Jato foi quando ele autorizou a interceptação telefônica de telefones ligados ao ex-presidente da república Luiz Inácio #Lula da Silva. Em um dos áudios divulgados, Lula aparece conversando com a presidente Dilma Rousseff, que agora está às voltas tentando se livrar de um processo de #Impeachment. Na lista promovida pela revista 'Time', Sérgio Moro aparece na categoria Líderes. A publicação lembra que ele tem sido homenageado em grandes manifestações e que é até conhecido como 'SuperMoro'. Diferente da 'Fortune', a 'Time' não faz um distinção de quem é mais ou menos influente. Por isso, Moro aparece ao lado de nomes internacionalmente mais conhecidos, como Papa Francisco, o criador do Facebook, Mark Zuckerberg, além da cantora Adele e do corredor Usain Bolt.

Publicidade

Para chegar à lista, a revista faz uma análise de como aquele nome tem capaz de influencia o comportamento de uma multidão. As manifestações a favor de Moro que levaram milhões às ruas foram fundamentais para ele ter chegado na lista. Se o juiz federal ganhou grande repercussão na publicação, a presidente da república Dilma Rousseff sequer aparece. Ela também não era mencionada na listagem produzida pela 'Fortune'. 

Nesta quinta, Dilma viajou para o estado de Nova York, nos Estados Unidos, onde deve realizar um discurso na Organização das Nações Unidas (ONU). Na fala, ela tentará expressar para a comunidade internacional que está sendo vítima de um "golpe".  #Dilma Rousseff