Muito engana-se quem pensa que só a presidente da república vive um momento de iminente queda do governo. Seu vice, Michel Temer, que já anunciou o abandono oficial à Dilma Rousseff, também deve ter seu impeachment solicitado nos próximos dias. E são várias frentes que vão ir em cima do PMDB. Uma formada por advogados da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), outra pelo ex-Ministro da Educação Cid Gomes. Nesta sexta sexta-feira, 1º, ele disse que protocolará o pedido de impeachment de Temer na Câmara dos deputados, presidida por Eduardo Cunha, do mesmo partido do vice-presidente. Cid é ex-governador e participou ativamente do governo de Dilma, sendo considerado um dos seus apoiadores. 

Mas não para por aí, o Supremo Tribunal Federal (STF) pode obrigar a Câmara a analisar esse pedido.

Publicidade
Publicidade

A informação foi publicada nesta sexta pela jornalista Mônica Bérgamo, da Folha de São Paulo. De acordo com a repórter, um dos Ministros do STF, Marco Aurélio Mello, já foi até designado relator de um dos pedidos de abertura de impeachment contra Temer. Apesar do processo também ter chegado à corte nesta sexta, ele só será avaliado na semana que vem, justamente em um momento que acaba o prazo para a defesa da presidente #Dilma Rousseff na Câmara dos deputados. 

O pedido que será avaliado pelo STF não é o de Cid Gomes, nem o da OAB, mas sim um assinado pelo advogado mineiro Mariel Márley Marra, que teria sido protocolado o pedido de abertura de impedimento ainda em dezembro. Ele já havia solicitado à Câmara dos Deputados a protocolar a análise, mas Eduardo Cunha deixou o processo parado, até porque o investigado também é um peemedebista, assim como ele.

Publicidade

Entre os crimes que seriam apontados para Temer perder o cargo de vice ou de presidente interino (com a possível queda de Dilma) está um dos que Rousseff também é acusada, o crime de responsabilidade fiscal. O advogado mineiro ainda acusa Michel de ter ido contra a lei do orçamento brasileira, assinando decretos conhecidos como as "pedaladas fiscais". O vice não se pronunciou até o momento sobre o seu possível processo de impeachment.  #Lula #Michel Temer