Na onda de escândalos que vem invadindo o país, nem mesmo o programa de Reforma Agrária, bandeira do MST e do próprio #Governo, escapa. Uma auditoria do Tribunal de Contas da União encontrou entre as pessoas que receberam lotes por meio do programa, os seguintes casos:

  • 1.017 políticos estavam entre as pessoas beneficiadas com lotes do programa, entre eles 847 vereadores, 96 deputados estaduais, 69 vice-prefeitos, quatro prefeitos e um senador.
  • 11 mil cônjuges de pessoas já beneficiadas com a posse de um lote foram novamente contempladas.
  • Vários casos de pessoas com posses e claros sinais exteriores de riqueza, como propriedade de carros de luxo, como Porsche ou Land Rover também foram beneficiados.

Crianças também foram contempladas

Estas são as irregularidades mais comentadas na mídia, mas há também crianças com apenas dois anos de idade, milhares de pessoas com cargos públicos, estrangeiros e 61 mil empresários beneficiados pelo programa.

Publicidade
Publicidade

O TCU já determinou que o Incra - Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, apresente medidas que possam resolver essa situação e pediu a reestruturação total do órgão, que deve paralisar suas atividades dois dias por semana, em sinal de #Greve contra a política econômica da presidente Dilma Rousseff. Assim, pode-se esperar que essa reestruturação e, principalmente, a solução das irregularidades de mais essa #Crise não ocorra com a brevidade desejada.

Segundo dados da auditoria do TCU, 30% de toda a base de beneficiários do programa é irregular. O MST, que passou a ter suas contas investigadas pelo uso suspeito de recursos públicos, não se manifestou sobre essas irregularidades, apesar da sua gravidade.

O ministro-relator do processo, Augusto Shermann, lembrou que o Incra "vem descumprindo as determinações do TCU há anos".

Publicidade

No início desse ano, também a Controladoria Geral da União (CGU) havia chamado atenção para irregularidades do programa. "É um processo que está sendo feito totalmente à margem da lei", disse Shermann. Os nomes dos políticos envolvidos não foi divulgada pelo TCU.