Má gestão? Apoio popular ou tática da oposição? O que estaria levando a presidente Dilma Rousseff a estar respondendo a um processo de #Impeachment? Para o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, o principal motivo para a crise no Brasil é uma interferência americana. De acordo com ele, o "golpe" contra Dilma está sendo orquestrado por forças dos Estados Unidos. A polêmica declaração foi dada nesta terça-feira, 26, quando Maduro defendeu veementemente Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Para Maduro, os Estados Unidos querem neutralizar a união do Brasil com outros países da América Latina e do Caribe. A tática americana iria além, de acordo com o presidente que pediu recentemente que as venezuelanas não usassem mais secador de cabelo por conta da crise energética, fazendo com que o gigante da América do Sul ficasse prejudica também nos Brics, um bloco econômico que reúne o Brasil, a África do Sul, China, Índia e Rússia.

Publicidade
Publicidade

O país presidido por Barack Obama e que vive suas prévias eleitorais estariam interessado em acabar com a Unasul, segundo o presidente venezuelano. 

Os argumentos polêmicos sobre a crise brasileira foram ditos na televisão durante um programa semanal que Maduro apresenta, o 'Contato com Maduro'. Ele também acusa a embaixada dos Estados Unidos no Brasil de apoiar setores que querem o "golpe", no caso o impeachment de Dilma, que segundo Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) é baseado na constituição.  “É um golpe infame contra uma mulher valente, brava, honesta”, esbravejou ele, que ainda chamou o poderio americano como "vil perseguição". Maduro disse ainda que querem acabar com o Brasil por ser um país governado por um "poderoso movimento social", parecendo mencionar assim o Partido dos Trabalhadores (PT).

Publicidade

Segundo o presidente venezuelano, programas sociais de Lula e Dilma melhoraram a vida dos brasileiros, citando o 'Bolsa Família' e o 'Minha Casa Minha Vida'. Ele acredita que com a deposição de Rousseff esses programas sociais serão afetados e as camadas mais pobres da população serão justamente as que vão mais sofrer. #Dilma Rousseff