Parece que Wagner Moura anda desanimado com a TV Globo e demais emissoras nacionais. O ator conferiu uma entrevista polêmica à ‘Folha de S. Paulo’.

Segundo o interprete do ‘Capitão Nascimento’, que lutava contra a corrupção policial no Rio de Janeiro em ‘Tropa de Elite’, houve ‘vazamento de informações seletivas’ para uma imprensa que é controlada por cinco famílias que segundo ele, nunca suportaram a ascensão de Lula. Dentre essas famílias poderosas da mídia brasileira, está a que detém a TV Globo, sua antiga casa e que lhe deu destaque na dramaturgia brasileira.

Wagner criticou Sergio Moro e disse que o juiz age como um promotor, realizando investigações que ‘atropelam’ a privacidade e o direito a presunção da inocência, previsto na CF.

Publicidade
Publicidade

Apesar de considerar que o impeachment seja um golpe que planeja passar por cima do ‘voto’ de 54 milhões de brasileiros, ele admite que o PT realizou o seu projeto sobre a corrupção e que isso precisa ser investigado, mas de forma imparcial.

O ator também criticou Eduardo Cunha, o acusando de ter aceito o pedido de #Impeachment não porque era o certo a fazer, mas por simples revide político, considerando a atitude do parlamentar ‘um teatro’. Também afirmou que o  Brasil está vivendo um 'ódio cego contra o governo que deu oportunidades nunca vistas aos pobres’

O impeachment

Famosos, políticos e cia têm afirmado que o impeachment não pode acontecer, pois nenhum crime ainda foi provado contra Dilma. Pois bem, não foi mesmo, entretanto esse é o objetivo do impeachment: realizar um processo com direito à ampla defesa, apresentação de provas, votação na Câmara que se alcançar 342 votos, segue para nova votação no Senado, para em caso de maioria simples de votos, seguir para o julgamento final, que pode ser favorável ou não.

Publicidade

Logo, Dilma ainda não foi condenada, mas passará por um processo democrático, que claro, pode ter votos influenciados por conta dos constantes escândalos envolvendo petistas, a crise econômica do país e a tentativa de blindar Lula das investigações de Sergio Moro, entretanto, um processo não é garantia de condenação.

Claro que Dilma não tem mais aliados, o PT a usou como fantoche governando em seu lugar, onde Rousseff nunca teve autoridade para responder por si, sempre esperando e acatando decisões do PT e de Lula, a quem ainda considera como presidente.

E agora que o cerco se fechou, o PT não irá defendê-la, até porque não tem como fazer isso, mas por mais que tudo aponte para um impeachment certo, não se pode esquecer que essa formalidade está prevista em lei, portanto é legal. O mesmo já passou por uma etapa burocrática e rígida para ser aceito e agora segue com os mesmos requisitos e garantias de outros tipos de processos.

Encher o mundo de mimimi antes mesmo de começar um julgamento demonstra falta de controle emocional, temor a possíveis perdas caso o PT caia e propaga ainda mais a intolerância entre os que não aguentam mais a corrupção e os apoiadores do governo. #Dilma Rousseff #Viral