O zelador José Afonso Pinheiro vinha trabalhando no subitamente famoso edifício Solaris, em Guarujá, havia três anos. Com 47 anos, trabalha como zelador há 20 anos. Foi demitido e, como todo desempregado, ele teme não conseguir outro emprego e outra moradia, pois tem apenas 20 dias para se mudar do apartamento que ocupa no edifício, juntamente com a mulher e a filha.

Mas, Pinheiro não se considera um desempregado comum que foi demitido por contenções de custo e outros problemas administrativos. Ele acredita que sua demissão começou a tomar forma quando confirmou para procuradores paulistas que o ex-presidente Lula, a ex-primeira-dama e um dos filhos do casal estiveram visitando a cobertura triplex 136-A do edifício, e que a construtora OAS enfeitava o prédio com flores e bloqueava o uso do elevador para uso exclusivo dos #Lula da Silva e seus acompanhantes.

Publicidade
Publicidade

Depois que deu essas declarações aos procuradores, Pinheiro diz ter sido ameaçado. “O pessoal da OAS começou a dizer que eu estava mentindo e que falava demais. Disseram para eu ficar quieto porque senão seria demitido. Esperaram a poeira baixar e me demitiram”, diz o zelador. "Dizer a verdade nesse país é errado. Eu falei e acabei demitido", completa.

O síndico do edifício, Mauro de Freitas, nega que exista motivo político na demissão e afirma que ela não interessa a ninguém. A não ser a ele e a Pinheiro. Porém, para o procurador Cássio Conserino, que atuou no caso, "há fortes indícios de represália diante do teor do testemunho absolutamente esclarecedor que ele prestou durante as investigações".

O CASO DO TRIPLEX

As declarações do zelador foram prestadas em outubro do ano passado, quando ele afirmou aos promotores que a ex-primeira-dama Marisa Letícia "chegou a frequentar o espaço comum do edifício indagando sobre o salão de festa, piscina, áreas comuns".

Publicidade

No início de março desse ano, os promotores denunciaram criminalmente Lula no caso do triplex por lavagem de dinheiro e falsidade ideológica, ao supostamente ocultar a propriedade do imóvel, que oficialmente está registrado em nome da OAS.

Além de Lula, outras 13 pessoas importantes foram também denunciadas por envolvimento com o caso. Todos têm bons e caros advogados. Já ao zelador, restou um desabafo: “acaba sobrando para a gente que é menos favorecido", disse. #Lava Jato #Investigação Criminal