Enviar ocorrências, ou bilhetes para pais e responsáveis dos alunos, é uma forma que as escolas encontraram para se comunicar diretamente com as famílias dos estudantes.

Geralmente os responsáveis pelo aluno precisam acusar o recebimento destes avisos com sua assinatura, declarando assim que estão cientes do fato.

Entretanto os pais de um aluno de 15 anos, estudante do Colégio Palas, localizado na Barra da Tijuca, cidade do Rio de Janeiro, receberam uma ocorrência, que pode ser considerada no mínimo inusitada. 

Segundo o jornal Correio Braziliense, a ocorrência informava aos pais do aluno, que o jovem, soltou um "pum" dentro da sala de aula, com "direito" a mal cheiro e que por isso a aula foi prejudicada.

Publicidade
Publicidade

Comunicamos que seu filho soltou um "pum"

A ocorrência enviada para os pais do aluno, caiu nas redes sociais, nela consta que por causa do "pum" do seu filho a aula de Língua Portuguesa ficou prejudicada.

"Comunicamos, constrangidos, que o aluno, durante a aula de Língua Portuguesa, soltou um 'pum', com direito a mal (sic) odor", informava a reclamação sobre o ocorrido.

A direção da #Escola ainda deixou claro que o mau cheiro proveniente da flatulência, impediu que a aula corresse dentro da normalidade, prejudicando o aprendizado dos colegas e impedindo que o professor desse continuidade ao ensino da disciplina.

Na ocorrência os responsáveis pelo colégio, ainda afirmam, que esperam que tal fato não volte a acontecer.

Pronunciamento do colégio

De acordo com o professor e diretor da unidade, Ivo Gerscovich, o procedimento de envio de ocorrências é padrão, e é feito toda vez que se faz necessário.

Publicidade

Contudo ele afirma que tal ato não causou nenhum constrangimento para o aluno.

"Isso ficou entre o aluno e os responsáveis. Um ato como esse não é publicamente normal no Brasil, por isso comunicamos os pais. Considero um assunto pequeno, foi tratado unicamente entre os envolvidos"

Ivo Gerscovich, disse ainda que, os fatos serão averiguados. Segundo ele, haverá uma conversa com todos que estavam presentes no momento da ocorrência, afim de saber como foi feita a abordagem do aluno, quando o incidente aconteceu.

O diretor da unidade ressalta que a publicação da ocorrência nas redes sociais, não foi de responsabilidade do colégio.

  #Comportamento