Os hackers, que participam do grupo “Anonymous Brasil”, alertam que estão trabalhando para encontrar os mais de 30 criminosos envolvidos no estupro coletivo. O #Crime aconteceu no morro São José Operário, que fica em Jacarepaguá, zona oeste da capital carioca.

A informação foi divulgada através de nota, que diz que “Anonymous é uma ideia de liberdade” e quem é conta o ideal do grupo, torna-se inimigo deles. Os hackers avisaram que estão focados em identificar os criminosos e ajudar a polícia a localizá-los.

Eles também alertam que pessoas coniventes, que divulgam as imagens ou que não aceitam que o único culpado por um estupro é o estuprador, também são inimigas do grupo.

Publicidade
Publicidade

Eles falam que estão “caçando” cada uma dessas pessoas e vão expô-las. “Iremos nos vingar”, diz o comunicado.

Milhares de pessoas estão e manifestando através das redes sociais, pedindo a punição dos criminosos. A menina, que foi estuprada por mais de 30 homens, tem apenas 16 anos de idade.

De acordo com o relato dela, a garota foi para a casa do rapaz, com quem se relaciona há três anos. De lá, só se lembra de ter acordado no dia seguinte, em um local estranho e cercada de mais de 30 homens armados. Ela estava completamente dopada e nua.

Ao polícia já pediu para a Justiça a prisão preventiva de quatro deles. Um dos suspeitos, o namorado da vítima, é jogador de futebol de um time de primeira divisão do Rio de Janeiro. O outro, que tirou uma foto com a menina nua e sangrando, também foi identificado e já foi funcionário da Globo.

Os outros dois são os responsáveis por divulgar as imagens da adolescente, após o estupro, nas redes sociais.

Publicidade

São eles: Marcelo Miranda da Cruz Correa, de 18 anos e Michel Brazil da Silva, de 20 anos. O advogado de Marcelo alega que o homem não conhecia a vítima, não conhece os criminosos e fez apenas “uma brincadeira”, ao compartilha as fotos de uma menor de idade nua e sangrando. O rapaz ainda não e apresentou à polícia. o Advogado vai tentar habeas corpus antes de ele ser apresentado na delegacia.  #Casos de polícia #Polícia Federal