O jornalista Sidney Rezende foi demitido com menos de um mês à frente de um programa na 'Rádio Nacional'. A informação foi confirmada pelo jornal 'O Globo' e ganhou destaque em tom de crítica no site 'Rádio de Verdade', especializado no mundo do rádio. A demissão ocorre depois que Sidney Rezende deu declarações públicas contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Extraoficialmente, a demissão da Globo News também teria ocorrido pelo mesmo motivo em 2015. O canal nega e fala em restruturação da sua equipe. 

O contrato do comunicador foi rompido depois que o ex-presidente da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Ricardo Melo, acabou sendo desligado do cargo por Michel Temer.

Publicidade
Publicidade

Ele tenta na justiça reverter a decisão, alegando que sua gestão deveria durar quatro anos e que a EBC é independente da presidência. Sidney Rezende apresentava na 'Rádio Nacional' o 'Nacional Brasil'. Apesar do valor de seu salário não ser revelado por nenhum meio de comunicação, esse era considerado alto demais para os padrões da rádio e para a audiência que ela conquista. O primeiro 'Nacional Brasil' foi ao ar do dia 04 de maio, o último no dia 20.

Em seu Facebook oficial, Sidney Rezende evita falar diretamente do desligamento. Ele fez nesta terça-feira, 23, uma publicação relacionada aos dez anos do site que leva o seu nome. "Estamos de pé e de cabeça erguida", escreveu ele já no início do texto, que é intitulado como "SRZD 10 anos: testemunha de um país confuso". Em entrevista ao jornal 'O Globo', a EBC disse que a demissão de Rezende teve influência direta do presidente em exercício #Michel Temer.

Publicidade

Como explicação, a Empresa Brasil de Comunicação diz que o objetivo da dispensa está relacionado à contenção de gastos. Ainda segundo a EBC, outros contratos serão revistos. 

Atualmente, o maior "braço" da EBC é a TV Brasil, que mesmo após investimentos e reestruturação não consegue sair do traço de audiência nas principais cidades do país. Temer quer agora que o canal sirva para investir em cidadania e em campanhas voltadas à saúde.  #Governo