O ex-jogador de futebol Diego Maradona, livre das drogas há mais de dez anos e atuando em questões sociais decidiu se posicionar politicamente. Ele publicou em sua rede social no fim de semana uma foto em que presta homenagem à presidente Dilma Rousseff e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No Instagram, ele publicou uma imagem segurando uma camisa da seleção brasileira com o nome de Lula e o número 18 atrás, fazendo uma referência à possível candidatura do petista à presidência daqui a dois anos. Na legenda, Maradona diz ser um soldado de Lula e Dilma em três idiomas, o inglês, o francês e o espanhol. 

Maradona é apenas uma das celebridades brasileiras e internacionais que apoia a volta de Dilma ao poder.

Publicidade
Publicidade

Rousseff foi afastada do cargo no dia 12 de maio, quando 55 Senadores votaram por essa questão. Outros 22 Congressistas preferiram ser a favor da petista, que nas próximas semanas precisará lutar contra a sua deposição. Para que a companheira do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seja deposta são necessários pelo menos 54 votos. 

Outras celebridades também mostraram opinião sobre impedimento

No início da semana, por exemplo, um atriz que não vive no Brasil há anos, Sônia Braga, também se posicionou contra o #Impeachment de Dilma. O caso aconteceu durante uma apresentação de gala no festival de Cannes, na França. Sônia Braga e outras celebridades que fazem parte do elenco do filme 'Aquaria', que concorre à Palma de Ouro, exibiram cartazes com folhas A4 no que diziam que estava ocorrendo um golpe no país.

Publicidade

O protesto ocorreu pouco depois do presidente em exercício Michel Temer anunciar anunciar o fim do Ministério da Cultura. Neste fim de semana, no entanto, o peemedebista decidiu recriar a pasta. Quem agora assume e vira Ministro é Marcelo Calero. 

Fernanda Montenegro, única atriz a Concorrer ao Oscar, criticou Michel Temer sobre o fim da pasta, dizendo que agora seria também da sua oposição. Outros artistas chegaram a ocupar prédios públicos conhecidos por serem da Cultura contra o presidente em exercício.  #Crime