Por meio de um comunicado importante, a Organização das Nações Unidas (ONU) se solidarizou com a situação das adolescentes do Brasil que foram vítimas de estupro nesses últimos dias - uma foi violentada em Bom Jesus no Piauí e outra no Rio de Janeiro.

O comunicado da ONU traz um pedido à sociedade brasileira, de que as jovens não sejam culpadas pelos crimes:

“Tolerância zero a todas as formas de violência contra as mulheres e sua banalização! Que seja incorporada a perspectiva de gênero na investigação, processo e julgamento de tais casos, para que se evite a revitimização das garotas”.

“Além de serem mulheres jovens, tais casos bárbaros se assemelham pelo fato de as duas adolescentes terem sido atraídas pelos algozes em tramas premeditadas e terem sido violentamente atacadas num contexto de uso de drogas ilícitas"

O caso que aconteceu no Piauí foi semelhante ao caso do Rio, que aconteceu esta semana, em que a adolescente de 16 anos foi estuprada por mais de 30 homens.

Publicidade
Publicidade

No caso em questão, a vítima de Bom Jesus foi uma jovem de 17 anos que foi amarrada, amordaçada e também violentada sexualmente por cinco agressores.

Nesta quinta (26), quatro agressores do caso da jovem estuprada no Rio foram identificados. Dois deles, Marcelo Miranda da Cruz Correa de 18 anos e Michel Brazil da Silva, foram acusados de divulgar as imagens pela internet.

Os outros dois são Lucas Perdomo Duarte dos Santos de 20 anos, suposto namorado da vítima e Raphael Assis Duarte Belo de 41 anos, ex-funcionário da Rede Globo, que aparece em algumas imagens do #Crime divulgadas na rede.

Segundo a vítima, o estupro coletivo ocorreu no sábado (21), em uma comunidade da Zona Oeste, quando ela foi na casa do namorado Lucas Perdomo, com quem já se relacionava há três anos.

Segundo o depoimento que a jovem prestou à polícia, ela só se lembra de estar a sós com ele naquela noite e depois de acordar no domingo em outra casa da mesma comunidade, muito dopada e rodeada por 33 homens que portavam armas.

Publicidade

A jovem só apareceu na terça (24). Vestia roupas masculinas, estava drogada e muito ferida.  Um agente comunitário a encontrou e a levou para casa. A família só soube do estupro depois que as fotos foram divulgadas nesta quarta (25).

Nas redes sociais os protestos são muitos e pedidos de punição viralizam na rede. “Não foram 30 contra uma, foram 30 contra todos! Exigimos justiça! ”, é o que diz uma das muitas publicações. #Investigação Criminal #Casos de polícia